quinta-feira, 31 de janeiro de 2013

Desporto Escolar importante para a região

desporto_escolar_logo.jpg
Depois de, na semana passada, se ter realizado o corta-mato a nível regional, em Torre Dona Chama, com cerca de 900 alunos, o Desporto Escolar parece estar cada vez mais enraizado nas escolas da região.
Marina Esteves, responsável da Coordenação Local do Desporto Escolar de Bragança e Côa, afirma que o Desporto Escolar está a correr bem e que vai continuar assim. “Muito sinceramente penso que está bastante bem. Temos todas as escolas a participar no desporto escolar, temos um elevado número de equipas, temos à volta de 3500 alunos a praticarem, neste momento, de forma mais activa a actividade do desporto escolar. Portanto, no meu ponto de vista, o envolvimento é bastante grande”.
São onze as modalidades praticadas no distrito, para todos os alunos. “O programa do desporto escolar tem uma panóplia de modalidades enorme. São à volta de 50 modalidades, nós, no distrito, praticamos onze modalidades. No meu ponto de vista com alguns aspectos muito interessantes. Porque temos modalidades directamente dirigidas a alunos com necessidades educativas especiais, nomeadamente o bóssia é praticado no desporto escolar”.
Para a responsável, a competição entre as escolas é bastante importante. “Nós temos uma grande competitividade entre as escolas e, no meu ponto de vista, de forma positiva. Não quer dizer que seja geral, obviamente há algumas excepções, mas em termos gerais é de salutar como a competição é feita ao nível das escolas”.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Cáritas vai construir centro de apoio a carenciados

caritas.jpgA Cáritas de Bragança vai avançar com a construção de um equipamento social com a integração de um centro de apoio a carenciados.Uma resposta social pioneira na região.Vai ser localizado na zona do Campelo e Santiago e a instituição vai iniciar o projecto de arquitectura.O equipamento vai contemplar ainda serviço de apoio domiciliário e um centro de dia e de noite.A presidente da direcção que com o centro de apoio a carenciados pretende-se “atender as pessoas mais necessitadas com uma certa qualidade, caso precisem de um banho podem fazê-lo ali”. Beatriz Fernandes salienta que será “uma estrutura com respostas integradas”. Para concretizar este projecto, a câmara de Bragança já cedeu um terreno, no valor de 446 mil euros.O presidente salienta que esta doação é para ajudar a instituição a crescer.“A Cáritas sentiu que tinha condições para se expandir e nos últimos quatro anos a câmara fez um esforço no sentido de encontrar uma boa localização com um terreno na ordem dos 13 mil metros quadrados”, afirma Jorge Nunes, acrescentando que “procurámos garantir terreno suficiente para que a instituição possa concretizar o seu projecto”.Esta cedência foi celebrada ontem, fazendo parte de um conjunto de apoios financeiros atribuídos a mais cinco instituições sociais, num total de 280 mil euros.O Centro Social e Paroquial de S. Tiago foi um dos contemplados.A verba recebida vai ser investida na conclusão de um equipamento social que está a ser construído.“Temos concretizado este projecto exclusivamente com o apoio da comunidade e da câmara, pois da parte do Governo não recebemos um cêntimo”, refere o padre José Carlos Martins, salientando que “é um esforço que queremos ver compensado este ano com a conclusão das obras”. Este projecto ronda os 500 mil euros de investimento e vai disponibilizar centro de dia, serviço de apoio domiciliário e centro de convívio.
Ontem, a câmara de Bragança atribuiu também mais de 113 mil euros a 12 colectividades desportivas do concelho.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Cidadãos partilham ideias para o desenvolvimento da região

nerba_2.gif
Dar voz aos cidadãos e ajudá-los a contribuir para o desenvolvimento da região. Este foi o objectivo do fórum Be-In, realizado, ontem, em Bragança.
A iniciativa, organizada pela Associação Industrial Portuguesa, em parceria com a Associação Empresarial de Bragança – NERBA, contou com a partilha de ideias entre portugueses e espanhóis.“Grande parte dos alunos do ensino superior estão concentrados no litoral e penso que trazer mais alunos para o interior poderá ser uma forma de dinamizar as regiões do interior”, defende Vasco Cadavez.“Apresentei aqui um projecto para a dinamização da região de Trás-os-Montes, que visa a integração de todos os serviços e produtos ligados ao Turismo. Sobretudo para atrair gente dos dois lados da fronteira”, defende Jamon Gutierre, da vizinha Espanha. Paula Alves, da Associação Industrial Portuguesa, sublinha que o objectivo é fazer chegar estas ideias à Comissão Europeia.“O objectivo é pegar na opinião dos cidadãos e chegarmos àquilo que são as principais necessidades de cada uma das regiões. A partir daqui encontrar aqui soluções políticas, através de políticas europeias que venham dar uma resposta concreta”, salienta a responsável.Para o presidente do NERBA a região tem recursos para valorizar e para explorar. Eduardo Malhão diz que é preciso olhar para os indicadores desfavoráveis e trabalhar mais.“Não podemos fazer como a avestruz e enterrar a cabeça na areia. Temos que olhar também para os indicadores que são os medidores do nosso desempenho e temos que perceber que o interior tem problemas e a nossa região em particular tem problemas. E se nós continuamos a dizer que somos o reino maravilhoso distraímo-nos com questões acessórias e esquecemos do essencial, que é a necessidade de nos aproximarmos do rendimento per capita médio do nosso País e dos índices médios de desenvolvimento humano e a nossa região tem muitos indicadores que não são positivos”, realça Eduardo Malhão. Orlando Rodrigues, vice-presidente do Instituto Politécnico de Bragança, também participou neste fórum e deixou bem claro que a chave para o desenvolvimento é apostar em ideias colectivas que transformem conhecimento em riqueza.“Quando temos uma ideia mobilizadora de facto as coisas nascem. Portanto eu acho que à região faltam ideias mobilizadoras e falta a vontade de fazermos coisas. Temos que dar o salto da lamechice e do queixume permanente, porque nos inibe de fazer coisas mais interessantes”, salienta Orlando Rodrigues.
Esta iniciativa vai ser realizada em14 cidades para reunir as ideias que os cidadãos têm para ajudarem a desenvolver a sua região.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Câmara garante que saneamento vai ser concluído em Terroso

terrososaneamento.jpgA Câmara de Bragança garante que as obras do saneamento em Terroso, na freguesia de Espinhosela, vão ser concluídas quando as condições climatéricas o permitirem.De recordar que a população está descontente e alerta para o perigo de buracos abertos e tampas altas pelas ruas da aldeia.O presidente da autarquia, Jorge Nunes, garante que o município tem os pagamentos em dia e diz que o atraso na conclusão dos trabalhos se deve às dificuldades atravessadas pela empresa que está a executar a obra.“Da parte da Câmara temos os pagamentos em ordem, o problema não está nesse âmbito, mas está certame do lado das empresas, que vivem dias difíceis, e temos que ter alguma compreensão para esta situação excepcional. Da parte da Câmara a fiscalização está empenhada para que tudo fique em ordem, da parte da empresa também, há dificuldades que surgem e que não deviam surgir, mas está tudo a ser resolvido”, garante o autarca.
A conclusão do saneamento em Terroso adiado por causa das condições climatéricas e das dificuldades financeiras das empresas que estão a executar os trabalhos.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Dez mil fotografias sobre Portugal expostas no Dolce Vita Douro em Vila Real

O Centro Comercial Dolce Vita, em Vila Real, acolhe já a partir do próximo sábado o maior albúm fotográfico do mundo, onde se expõem dez mil fotografias sobre Portugal.




Este álbum está ao concurso do Guiness e exime e tem como dimensões 36 metros quadrados.

O álbum ‘Portugal, o Melhor Destino’, candidato ao Guinness na categoria de Maior Álbum Fotográfico do Mundo, marca o arranque da sua estadia em Vila Real com uma sessão de apresentação a Trás-os-Montes, a qual irá decorrer já este sábado, 2 fevereiro, no auditório do Centro Comercial Dolce Vita Douro, pelas 16h.

O álbum estará em exposição no Centro Comercial até ao dia 17 de fevereiro e poderá ser visitado diariamente, entre as 9h e as 23h, com entrada gratuita.

Produzido pela Dreambooks e com páginas de 8m de comprimento por 4,5m de altura, o álbum candidato ao Guinness é composto por 10 mil fotografias de Portugal, de entre as quais 768 fotografias são da região transmontana.

Em análise, na sessão de apresentação, estarão temas como a importância do empreendedorismo e do voluntariado para o sucesso da nova geração, a região transmontana enquanto destino turístico de excelência e ainda a nova onda de esperança e orgulho em ser português.

O evento contará com as intervenções de Sérgio Martinho, presidente da Associação Académica da Universidade de Trás os Montes e Alto Douro, de Domingos Madeira Pinto, vice presidente da Câmara Municipal de Vila Real e de Bruno Pinto, um dos responsáveis pelo projeto ‘Portugal, o Melhor Destino’.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Cerca de cinquenta expositores inscritos no Festival de Sabores Mirandeses

Cerca de 50 expositores estão inscritos no Festival de Sabores Mirandeses, que decorre em Miranda do Douro de 15 a 17 de Fevereiro.





Este é um certame que atrai anualmente milhares de pessoas que procuram o melhor da gastronomia mirandesa.

Desde a vitela mirandesa, o cordeiro mirandês (raças DOP) e o porco com todos os seus derivados. Não podemos esquecer a doçaria, segundo alguns “a melhor da região”, os visitantes podem apreciar os roscos, os sodos, os dormidos e claro está… a deliciosa bola doce.

Tudo isto, acompanhado pelo bom vinho que se produz na região.

Mas nem só de gastronomia vive o festival, o artesanato está bem vincado neste certame. A nível cultural a oferta é diversificada, desde a lhéngua mirandesa, a música tradicional, com os gaiteiros, tamborileiros, pauliteiros e danças mistas.

Mas se é apreciador de atividades ao ar livre, o Festival de Sabores Mirandeses oferece-lhe nesta edição, uma montaria ao javali, passeios BTT e TT.

De 15 a 17de Fevereiro, Miranda do Douro transporta-o para um mundo de aromas e sensações.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Reginorde pode regressar este ano

A Reginorde pode voltar a realizar-se este ano, em Mirandela.
O presidente da Associação Comercial Industrial de Mirandela (ACIM), Jorge Morais, revela que a Feira das Actividades Económicas de Trás-Os-Montes e Alto Douro está incluída no plano de actividades de 2013, mas só haverá decisão final em Março.
O certame, que se realizou durante 28 anos consecutivos, não abriu portas em 2012. A ACIM alegou que era necessário repensar o modelo.

Retirado de www.jornalnordeste.com

Bragança: Município apoia instituições sociais e coletividades desportivas

 A autarquia de Bragança assinou protocolos com cinco instituições de solidariedade social do concelho e contratos programa de desenvolvimento desportivo com 12 colectividades.

O valor total de financiamento foi de "cerca de 840 mil euros" como justifica o presidente da câmara, Jorge Nunes, acrescentando que "financiamos a parte social na ordem dos 280 mil euros e para as desportivas cerca de 113 mil euros e além disso, entregamos um terreno no valor de 440 mil euros à Caritas tendo em vista a implantação de um equipamento social destinado à prestação de um serviço de assistência social à colectividade"

Os apoios são, segundo o autarca, "necessários para que o trabalho das associações continuem a evoluir de forma positiva"

As entidades desportivas apoiadas pela autarquia foram o Grupo desportivo de Bragança, o clube académico e o ginásio clube de Bragança, o futebol clube da Mãe d´água, os pioneiros de Bragança Futsal clube, a escola de futebol crescer, a associação dos amigos do Campo Redondo, a associação dos estudantes Africanos em Bragança, Associação Transmontana desportiva e cultural de artes orientais, associação juvenil de melhoramento do alto da Mãe d´Água e o motocruzeiro de Bragança
As instituições de solidariedade social tiveram financiamento o Centro Social Paroquial dos Santos Mártires, Centro Social e Paroquial de S. Tiago, lares de idosos de S. Pedro de Sarracenos, Izeda e Coelhoso e a Caritas Diocesana com a entrega de um terreno para futuras instalações numa área total de cerca de 14 mil metros quadrados.
Retirado de www.rba.pt

Agências imobiliárias sobrevivem com arrendamento a estudantes do IPB


estudantes.jpg

O arrendamento de apartamentos a estudantes do IPB tem sido a tábua de salvação de muitas agências imobiliárias da cidade de Bragança.Cerca 72% dos alunos do politécnico são de fora da região e por isso uma das principais necessidades é a do alojamento. Numa altura em que a construção estagnou e as vendas pararam, os empresários do ramo imobiliário apostam no arrendamento, sobretudo a estudantes.“Cerca de 50 a 60% do nosso negócio passa pelos estudantes do IPB”, refere Jorge Padrão, da agência imobiliária Visão Geral, acrescentando que “estamos praticamente dependentes do IPB”. “A nossa principal fonte de arrendamento é o IPB”, assegura Eugénia Batista, da agência imobiliária Ultimo Pilar. No entanto, revela que “este ano houve menos procura. Nos anos anteriores havia muita procura de apartamento, este ano já foi só quartos porque fica mais barato”.O impacto económico do IPB esteve em debate esta manhã no programa Estado da Região da Rádio Brigantia.O vice-presidente da instituição de ensino não tem dúvidas que o impacto na economia da região é cada vez maior.“A dimensão do instituto tem vindo a aumentar, embora este ano tenha havido uma ligeira diminuição do número de alunos, mas nos últimos anos tem havido um crescimento continuo e com isso também o impacto na economia regional”, afirma Orlando Rodrigues.
Segundo um estudo revelado há dois anos, o IPB tem um peso superior a oito por cento do PIB da região, representando cerca de 52 milhões de euros por ano para a economia do Nordeste.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Empresa quer instalar eólicas na Serra da Nogueira

fotoHá uma empresa com potência atribuída interessada em instalar um parque eólico na serra da Nogueira, em Bragança.
A Ventinveste, consórcio da Galp e da Martifer, reuniu, em Dezembro passado, com os três municípios accionistas da PENOG, SA, Parque Eólico da Serra da Nogueira, nomeadamente Bragança, Macedo de Cavaleiros e Vinhais, e mostrou interesse em instalar parte dos 400 MW que lhe foram atribuídos na fase B do concurso eólico, realizado em 2005, na zona da serra da Nogueira.
De recordar que, tal como o Jornal NORDESTE já tinha noticiado, a EDF EN Portugal, a accionista maioritária da PENOG, SA – Parque Eólico da Serra da Nogueira, com 84,8 por cento do capital social, quer sair da sociedade por considerar que não dispõe de condições, nos próximos anos, para o licenciamento de um parque eólico na serra da Nogueira.
De acordo com a informação avançada na acta da reunião da Câmara Municipal de Bragança, de 21 de Dezembro passado, também não há perspectivas, a curto prazo, da abertura de novos concursos para exploração de energia eólica, tendo em conta que grande parte da potência contratada em concursos anteriores ainda não se encontra, na totalidade, em produção.

Proprietários exigem rendas

A EDF EN Portugal propôs aos três municípios que integram a sociedade da PENOG a compra das 42 200 acções que detém, pelo preço simbólico de um euro, mas as autarquias não estão interessadas no negócio. Em cima da mesa está agora a possibilidade de alienação ou extinção da empresa.
A Ventinveste pretende utilizar a subestação dos Olmos, em Macedo de Cavaleiros, como ponto de ligação da energia produzida no parque eólico. A empresa pretende, apenas, instalar cerca de 13 aerogeradores na zona sul da área do projecto, nomeadamente Pombares, Rebordaínhos, Soutelo Mourisco e Espadanedo. A potência a instalar deverá oscilar entre os 20 e os 26 MW. De fora ficam as freguesias de Rebordãos, Sortes, Zoio e Celas. O acordo com a Ventinveste deverá ser formalizado até ao próximo mês de Agosto.

Retirado de www.jornalnordeste.com

Douro Internacional: Contos e lendas vão atrair turistas na região transfronteiriça

 O Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Duero-Douro (AECT) vai avançar com a criação de uma nova marca turística, designada "Turismo de Contos e de Lendas", para ser aplicada naquela região transfronteiriça.


"O objetivo é criar uma marca chapéu que ajude a potenciar um novo conceito turístico, a ser aplicado na região de fronteira, tendo como base os contos, as lendas e as narrativas dos povos desta região ibérica", avançou o presidente do Concelho Setorial do Turismo do AECT Duero-Douro, Artur Nunes.
Agora, em ambos os lados da fronteira, os promotores deste "novo conceito" pretendem recuperar todo um património imaterial onde os povos que habitam o território são os "principais atores".
"Este é um produto turístico inovador, ao nível do turismo transfronteiriço, que vai permitir agregar um conjunto de iniciativas de forma a atrair mais turistas a uma região com potencial", frisou.
Ao conceito estão associados outros elementos como a gastronomia, os monumentos, os produtos endógenos, percursos pedestres, fauna, flora, que serão aliados aos aspetos culturais comuns a uma região que é abrangida pela linha de fronteira "mais antiga da Europa".
"Em cada localidade há uma lenda, e em cada história há um povo, sendo que cada um tem as suas tradições que precisarão de ser exploradas", acrescentou o também presidente da Câmara de Miranda do Douro.
A recolha das tradições imateriais será efetuada junto para população sénior de cada um dos concelhos que integra o agrupamento, para assim se criar, da forma mais "fiel" possível, uma nova rota turística que permita ajudar a "impulsionar" o desenvolvimento sustentável deste território peninsular.
"Esta promoção será feita em todos postos de turismo da região transfronteiriça abrangida pelo Douro Internacional e Beira Interior", concluiu Artur Nunes.
O AECT Duero-Douro é uma entidade criada pela União Europeia de forma a melhorar a coesão social, económica e territorial dos 187 municípios portugueses e espanhóis que o integram.
Do lado português, o AECT abrange as regiões de Alto Trás-os-Montes, Douro e Beira Interior Norte, enquanto na parte espanhola integra municípios de Zamora e Salamanca.
 
Retirado de www.rba.pt

População de Terroso descontente com obras do saneamento

terrososaneamento.jpg
A população de Terroso, no concelho de Bragança, está descontente com as obras do saneamento na aldeia. Os trabalhos começaram há mais de um ano e estão parados desde Outubro do ano passado.
Os habitantes têm agora que contornar os buracos que ficaram por tapar nos caminhos e as caixas de saneamento que ficaram altas no meio das ruas. Além disso, alguns habitantes queixam-se de prejuízos causados pelas obras que ficaram por acabar.“Entra a água nas caixas e depois passa para os armazéns e ninguém veio cá ver se as coisas estavam bem ou não”, afirma Maria Libânia.“Deixaram aí por essas ruas abaixo as caixas mais altas do que o que pertence e não se pode passar para os terrenos”, salienta Manuel Pires. “Há caixas altas em que um tractor está sujeito a tombar-se, ainda um destes dias um rapaz esteve a tombar lá a máquina”, garante Octávio Pires.A população denuncia ainda o perigo iminente no local onde vai ser instalada a Estação de Tratamento e pede a resolução do problema o quanto antes.“No sítio da fossa está lá um buraco, se lá cai alguém não consegue sair”, denuncia Maria Pires.O presidente da Junta de Freguesia de Espinhosela está ao lado da população. Telmo Afonso diz que há problemas para resolver, que já foram comunicados à empresa que está a executar a obra.“A Junta de Freguesia não é a dona da obra. As pessoas estão descontentes e com razão, porque há ali problemas que estão por resolver e há pessoas que não têm pressão em casa para poder ligar o esquentador. Por isso, as pessoas estão revoltadas e com toda a razão”, afirma o autarca.A obra foi adjudicada pela Câmara Municipal de Bragança. A Brigantia tentou ouvir o presidente da autarquia para saber quais são os prazos para a conclusão do saneamento em Terroso, que remeteu esclarecimentos para mais tarde.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Mais de 8 mil desempregados no distrito de Bragança

centroemprego.jpg
O número de desempregados não pára de aumentar no distrito de Bragança. Desde 2010 tem-se verificado um crescimento gradual do número de pessoas sem emprego inscritas nos centros de emprego da região.
De acordo com os últimos dados divulgados pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional, em Dezembro passado, havia mais de 8 mil desempregados no distrito de Bragança, mais 950 do que em igual período do ano passado.Os concelhos de Bragança, com mais de duas mil sem trabalho, Mirandela, com mais de 1800 desempregados, e Macedo de Cavaleiros, com cerca de mil pessoas à procura de emprego, são os mais fustigados pelo desemprego.De 2011 para 2012 o desemprego subiu em praticamente todos os concelhos do distrito, à excepção de Alfândega da Fé, onde há menos 53 pessoas inscritas no centro de emprego.Bragança, Mirandela, Macedo de Cavaleiros e Mogadouro são os municípios onde se registou um aumento mais significativo do número de desempregados.Só em Dezembro passado perderam o posto de trabalho mais de 500 pessoas no distrito e foram colocadas menos de uma centena.Os jovens são um dos grupos mais afectados, com mais de 3 mil pessoas, até aos 34 anos, sem trabalho.
Entre os mais de 8 mil desempregados no distrito, cerca de 1300 são licenciados.

Ecrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

IPB faz girar a economia transmontana

ipb1.jpgNa semana em que o Instituto Politécnico de Bragança comemora 30 anos de existência, o Estado da Região de hoje debate o impacto desta instituição de ensino superior na economia transmontana.Um estudo revelado há dois anos indicava que o IPB tinha um peso superior a oito por cento do PIB da região, representando cerca de 52 milhões de euros por ano para a economia do Nordeste.Habitação, comércio e transportes são as áreas mais beneficiadas com os estudantes do IPB.Bares e discotecas também lucram.“Os estudantes do IPB são uma mais-valia para o funcionamento da noite da cidade, as nossas ofertas nem fariam sentido se não fossem os estudantes”, refere Telmo Garcia, proprietário de três discotecas na cidade. “Neste momento, os estudantes do IPB são o movimento da cidade, são uma das grandes fontes da economia da cidade, sem eles se calhar nem existia o meu bar”, afirma António Pires. Também Elisabete Tomé diz que “se não fossem os estudantes se calhar nem compensava abrir o bar durante o dia, são eles que dão vida a este estabelecimento”.Um dos indicadores da dinâmica que o IPB gera ao nível económico é a criação de empresas por parte de ex-alunos, alguns deles vindos de fora e que acabam por se fixar na região.O gabinete de empreendedorismo do IPB tem sido um dos principais responsáveis.“Em quatro anos foram constituídas 25 empresas o que seguramente é difícil de igualar ao nível de outras instituições de ensino superior”, considera o coordenador, José Adriano, acrescentando que foram constituídos “63 postos de trabalho e quase um milhão e trezentos mil euros de investimento que já ficou na região”.
Estes são alguns dos temas a abordar no Estado da Região de hoje a partir das 10 horas.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Jovens deixam de estudar por causa da crise

ipbsimb.jpgHá mais estudantes do IPB a abandonar os estudos.O fenómeno decorre das dificuldades financeiras vividas pelas famílias dos alunos numa época de crise.

Ainda assim, a direcção da instituição de ensino considera que as estatísticas não são relevantes.Sem revelar os números, o presidente do Instituto Politécnico de Bragança diz que ficam abaixo do que esperava.“É óbvio que tem havido um aumento do abandono escolar mas está abaixo das minhas expectativas face ao que é a sensação geral do país”, refere Sobrinho Teixeira, acrescentando que “temos varações que andam na casa das dezenas de ano para ano, este ano cresce um bocadinho mas não é estatisticamente valorizável face à variação dos últimos anos”.Declarações feitas ontem durante as comemorações dos 30 anos do IPB, que contaram com a presença do ex-Presidente da República.Na sua oração de sapiência, Jorge Sampaio, considera que o ensino superior é fundamental para o desenvolvimento do país, mas para isso diz que é preciso orientação estratégica.“Nós coordenamos e consertamos pouco numa perspectiva de convergência de acção e nunca foi tão preciso consertar como agora”, afirma. “Sei que as nossas instituições de ensino superior serão capazes de responder aos desafios do presente e penso que o IPB está bem colocado para participar nessa reflexão que é inadiável”, acrescenta Jorge Sampaio.O presidente da câmara de Bragança salienta a importância de fortalecer o ensino superior no interior do país.“O fortalecimento do ensino superior no interior é essencial para o combate ao despovoamento, contribuindo para a coesão e competitividade”, defende Jorge Nunes. “O poder central deve promover políticas activas, em especial neste período de crise para evitar a sua fragilização”, frisa.Já o secretário de estado do ensino superior realça que o ensino superior politécnico tem de ter um papel dinamizador das regiões onde estão inseridas.“É sobretudo através do ensino superior politécnico que o país tem de aumentar o número de jovens que acede a qualificações superiores que lhes darão melhores perspectivas de vida e que o país necessita”, refere João Queiró, acrescentando que “o ensino superior politécnico tem de ter um papel relevante na dinamização social e económica directa das regiões em que se encontra inserido”.As comemorações ficaram ainda marcadas pela tomada de posse do novo presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos.Joaquim Mourato revela que um dos seus objectivos para este mandato é ajudar à recuperação do país.“Queremos construir soluções para qualificar mais e melhor os portugueses e queremos ajudar a recuperar o país e a devolver aos portugueses a esperança de uma vida melhor”, adianta.
De recordar que o cargo era até agora ocupado pelo presidente do IPB e que exerceu durante quatro anos.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

A vida de Natália


Natália não guarda boas recordações da sua infância. Quase tudo foi doloroso. Não que não tivesse uma mãe presente. Tinha-a, meia sem jeito para fazer carinhos, mal preparada pela vida para desempenhar o papel, cumpria-o, no entanto, com desvelo e preocupação. Encarregava-se de suprir o sustento da filha e dos sobrinhos o melhor que podia e sabia.
Natália não passava muitas fomes. Não. No entanto, tendo sido bafejada por uma inteligência acima da média, apercebia-se das coisas mais facilmente e com maior intensidade do que a maioria das outras pessoas.
O que, aparentemente, seria um benefício, transformava-se-lhe, às vezes, num pesadelo. Tentava, de todas as maneiras, não entender o que se passava à sua volta, mas não conseguia.
Revoltava-se com a mãe, com os vizinhos, com os primos, com a pobreza extrema em que se vivia naquela sua miserável aldeia.
Ali nascera, zorra. Ali tivera de sentir todos os olhares velados e as conversas camufladas quando passava.
O pai, que ela detestava por não a ter perfilhado, todo se comprazia de dizer aos quatro ventos que ela era sua filha. Exibia-a como se de um troféu se tratasse.
Com as parcas posses da mãe, vestia em dias nomeados, um simples vestido de chita. Brilhava. Queria morrer quando ouvia o pai, estridentemente, gritar que fora ele que lho comprara. Nunca soube o que fosse receber algo do progenitor. Doía-lhe aquela presunção que muito a envergonhava.
Sabia que era bonita. A mais bonita da aldeia e de todas as outras em redor. Ninguém contestava a sua beleza tão fustigada pelos rigores dos invernos e pelo calor inclemente dos verões transmontanos. Nela, não se notavam.
A pele continua branca e pura, mesmo quando, afogueada dos muitos trabalhos do campo, regressava a casa, exausta. O corpo, perfeito e proporcional, fazia suspirar muitos corações. Os cabelos, negros como azeviche, brilhavam como se nele morasse uma constelação de estrelas. As mãos, sacrificadas, mantinham a pureza de uma dama nunca tisnada pelos sóis de março.
Quando ela passava, só ou em alegre chilreada, na companhia das outras raparigas da aldeia, com o cesto da roupa à cabeça, em direção ao rigueiro, o sol perdia o seu brilho e concentrava nela a sua intensidade.
Aquela sua aura de tristeza, tornava-a inatingível. Ninguém se atrevia a faltar-lhe ao respeito. Ninguém lhe dirigia uma palavra mais rude. Muitos rapazes morriam de amores por ela e ela morria de amor por um, apenas.
Por todas as razões, exigia de si, ser um exemplo para todos. Conseguia sê-lo e, embora as suas noites fossem tormentosas, repletas de pesadelos e desgostos, nunca se lhe notava. A todos sorria e ajudava. A todos encantava com a sua capacidade inata de encantar.

(Continua...)

Maria Videira (Mara Cepeda)

Legislação dificulta venda de produtos regionais

produtosregionais.jpg
A legislação actual dificulta a comercialização de produtos regionais. A constatação é de Carla Alves, da Associação Nacional de Criadores de Suínos de Raça Bísara.
A responsável diz que cada produtor tem que pedir uma licença específica para vender cada um dos produtos, o que dificulta a vida aos pequenos negociantes da região.Por isso, Carla Alves sublinha a necessidade de simplificar a legislação.“Ao licenciarmos para a actividade fumeiro, era muito importante que fosse fácil licenciarmos também para as outras actividades, como o pão ou os cuscos, sem que com isso tivesse que existir outro processo de licenciamento para cada uma das pequenas produções”, explica Carla Alves.Carla Alves defende a criação de uma legislação específica que facilite a venda directa de vários produtos regionais.“Temos esperança que venha existir algum tipo de legislação que enquadre melhor estes circuitos curtos, que são circuitos de proximidade, para aqueles produtores que vendem directamente ao consumidor final”, salienta a responsável.
Há 82 produtores de fumeiro certificados que vão participar, este ano, na Feira do Fumeiro de Vinhais, mas esta certificação não permite, para já, a venda de outros produtos regionais.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Bragança: Jorge Sampaio defende "maior investimento" na educação

 O Alto Representante das Nações Unidas para a Aliança das Civilizações e ex-Presidente da República, Jorge Sampaio, defendeu, durante as comemorações dos 30 anos do Instituto Politécnico de Bragança, que deve haver mais investimento na educação.

"Os portugueses não devem aceitar um país acomodado, complacente com um destino escolar e uma educação medíocre, não podemos aceitar um sistema educativo a saldos, queremos um país ambicioso, capaz de se destacar pela cultura, pela ciência, pela investigação tecnológica e pelo desenvolvimento”, disse o ex-Presidente da República, relativamente à responsabilidade politica, social e empresarial de cada um.

Jorge Sampaio salientou, ainda, a importância do ensino superior no desenvolvimento económico cultural e social do país, dizendo que “o que está em causa não são apenas questões de política sectorial, mas sim o futuro dos portugueses e a sua posição na nova sociedade do conhecimento”.

O Presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, Joaquim Mourato, avisou para o facto de, ao longo dos anos, ter havido cortes sucessivos na educação, prevenindo que “vai chegar um momento em que não será possível cortar mais”.

“Costumo dizer que quando cortamos a gordura é possível continuar a caminhar, mas neste momento não há gorduras. Neste momento, uma redução no financiamento significa cortar na actividade, cortar no músculo”, concluiu.

Joaquim Mourato referiu ainda que os Institutos do Ensino Superior estão a fazer esforços para que nenhum aluno seja excluído do seu direito ao ensino.

Ficou latente, na comemoração dos 30 anos da IPB, a preocupação, por parte de grandes entidades, no futuro da educação em Portugal.
 
Retirado de www.rba.pt

Mirandela: Reservas hídricas "melhoram" na região transmontana

 As reservas hídricas na região transmontana melhoram "significativamente" devido à queda de chuva e neve registadas nas últimas semanas, avançou, o diretor regional de Agricultura e Pescas do Norte (DRAPN).


"Em termos comparativos, com igual período do ano transato, a média de armazenamento ronda os 56% da capacidade das albufeiras e barragens da região transmontana, o que se traduz numa melhoria face ao ano anterior", frisou Manuel Cardoso.
A barragem do Salgueiro, na zona da Vilariça e a barragem do Prado no concelho de Vinhais, apresentam uma capacidade de armazenamento que ronda os 80% da sua capacidade.
Já a barragem de Rego do Milho, em Chaves, apresenta um registo de 78% da sua capacidade de armazenamento.
"O panorama está melhor do que há um ano atrás, mas, de qualquer maneira, ainda não estamos com as reservas das albufeiras no pleno da sua capacidade de armazenamento", acrescentou o responsável pela DRAPN.
Para já, ainda há barragens que registam uma capacidade de menos de 20% como é caso da albufeira de Burga, no Vale da Vilariça e Vale Madeiro, no concelho de Mirandela.
A melhoria na capacidade de armazenamento de água verificada no período que vai desde o início de dezembro até à última avaliação, efetuada em 22 de janeiro de 2013, registou "um acréscimo de 33% da capacidade de cada estrutura hídrica".
"Na avaliação que será efetuada nos dias 22 e 23 de fevereiro, esperamos ter valores mais otimistas", concluiu Manuel Cardoso.
 
Retirado de www.rba.pt

Aguarelas do arquitecto Manuel Ferreira no Museu Abade de Baçal

Aguarelas do Arquitecto Manuel Ferreira vão estar patentes no Museu Abae de Baçal a partir do dia 26 de Janeiro.






A presente exposição, reúne cerca de vinte obras novas com uma cuidada seleção de obras paradigmáticas do percurso criativo de Manuel Ferreira.

A paisagem trasmontana, nas suas evidências e mistérios, nos detalhes singulares e transversalidades universais, é assumida pelo autor como cenário propiciador a incessantes deambulações, pois incessantes são as inquietações que o espaço lhe provoca.

A paisagem natural, a fluvial e a paisagem construída consolidam-se como temas preferenciais no contexto da obra de Manuel Ferreira. Tomada sobretudo nos meios rurais, manifesta a presença da figura humana quase sempre relacionada com os trabalhos do campo, dando grande relevo à representação dos animais, imperativos na adaptação ao meio que é, continuamente, o centro da sua prática pictórica.

Interessa-se pela paisagem também como pretexto para desenvolver as variações da luz sobre os volumes, que regista em tonalidades e cambiantes que acentuam as massas vegetais, as estruturas arquitetónicas e a linha do horizonte, sempre longínquo.

Ao firmamento, calmo, ou denso e profundo, reserva grandes superfícies na pintura, explorando demoradamente os valores lumínicos e atmosféricos”. [Emília Nogueiro]

Sobre o autor:
Manuel Maria Ferreira Rodrigues, nasceu em 1927, em Palácios, concelho de Bragança. Ainda enquanto estudante em Bragança já desenhava inúmeros objectos arqueológicos a pedido de Francisco Manuel Alves - Abade de Baçal.

Concluiu o curso de arquitetura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto. Desde 1956 que se dedicou à docência das disciplinas de Matemática, Desenho e Educação Visual em diversos estabelecimentos de ensino, de Bragança, Covilhã, e Macedo de Cavaleiro.

Como arquiteto integrou os quadros da Direção Geral dos Serviços de Urbanização do Distrito de Bragança, e foi responsável na área do Distrito de Bragança pelos serviços da Comissão de Coordenação da Região Norte. De 1967 a 1971 foi vice-presidente da Câmara Municipal de Bragança e de Junho de 1974 a Janeiro de 1975, foi presidente da Comissão Administrativa.

Douro e Estrela com 400 mil euros para investir na internacionalização

O projeto 'Douro e Estrela - In Tourism' vai aplicar 400 mil euros, até 2014, na promoção internacional dos dois territórios, alicerçada na vertente turística, com vista à melhoraria da competitividade das empresas, anunciou hoje fonte da iniciativa.


Impulsionado pela Associação Empresarial da Região da Guarda (NERGA) e pela Associação dos Empresários Turísticos do Douro e Trás-os-Montes (AETUR), o projeto foi alvo de uma candidatura aos fundos comunitários, através do programa SIAC/COMPETE.

O investimento global é de 400 mil

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Bragança: IPB com fluxo económico na região "equivalente a 80 fábricas"

No decorrer das comemorações dos 30 anos do Instituto Politécnico de Bragança, o presidente daquela instituição, Sobrinho Teixeira, salientou a envolvência que o IPB tem com a região.

"Temos aqui cerca de oito mil pessoas entre professores, alunos e funcionários, que têm disponível pelo menos o salário mínimo disponível para fazerem fluxos económicos e directos que equivale a 80 fábricas a 100 funcionários cada uma", justifica.

Sobrinho Teixeira salientou que neste momento o IPB tem massa critica para defender a região, "o mais importante é que temos uma instituição que neste momento tem a maioria dos seus docentes doutorados e que defende a cultura, o pensamento da região e que cada vez mais Bragança seja um símbolo de mudança e uma região qualificada e com capacidade de competitividade nacional e internacional".

O presidente do IPB referiu o instituto tem-se "empenhado ao longo destes 30 anos em apostar na qualificação dos transmontanos, mudamos o paradigma da região e torna os transmontanos dos mais cultos a nível nacional".

O IPB tem neste momento 72 por cento dos alunos vindos de fora do distrito de Bragança, Sobrinho Teixeira justificou estes números pelo facto de Bragança ser uma cidade com baixo custo de vida.
 
Retirado de www.rba.pt

Caixa Geral de Depósitos abre balcão no IPB

balcao_caixa.jpgO Instituto Politécnico de Bragança reforçou, ontem, os serviços prestados à comunidade escolar. A Caixa Geral de Depósitos abriu um balcão nos serviços centrais, onde alunos, professores e funcionários podem tratar de assuntos financeiros.O vice-presidente do IPB, Orlando Rodrigues, sublinha que este serviço era uma necessidade da instituição.“Uma parceria com uma instituição bancária é sempre útil e necessária numa instituição como a nossa. Temos muitos alunos, há muitos serviços financeiros que é preciso prestar aos alunos e à comunidade em geral. Até agora tínhamos a presença desta instituição financeira nas épocas de maior aperto em situação provisória. Agora têm um espaço definitivo e estão muito mais aptos para prestar serviços aos alunos e à comunidade em geral”, realça o responsável. Este é o primeiro balcão aberto pela Caixa Geral de Depósitos numa instituição de ensino superior em Bragança. Manuela Ferreira, directora central da Direcção de Particulares e Negócios do Norte, realça que este espaço vai garantir um atendimento personalizado a toda a comunidade do IPB.“Nós já tínhamos outras presenças, mas só ao nível do canal automático. Neste espaço nós quisemos associar aquela que é a lógica de conveniência e da disponibilidade. Temos os canais automáticos que estarão disponíveis durante o tempo em que o campus estiver aberto, mas quisemos também criar esta oportunidade para criar um espaço de atendimento personalizado, onde será possível os alunos encontrarem aqui presença humana e poderem tratar aqui das suas questões sem terem que sair do campus universitário”, salienta Manuela Ferreira.
O IPB a abrir mais um serviço no dia em que comemora 30 anos.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

Feira da Caça encerra com balanço positivo

A chuva e o mau tempo não afastaram os visitantes da XVII Feira da Caça e Turismo, que encerrou ontem, em Macedo de Cavaleiros. “Bastante gente mas menos pessoas a comprar”, foi o balanço dos expositores, que mesmo assim que foi “uma boa feira”.O certame assenta na promoção das potencialidades turísticas e cinegéticas do concelho. A vereadora da cultura, responsável pela organização, faz um balanço extremamente positivo. “Tivemos quatro dias repletos de diversas actividades, muita gente. Confesso que tive um pouco de receio devido às condições climatéricas e com isso também os visitantes se sentissem menos confortáveis para poder vir. No entanto durante todos os dias houve muita gente a visitar a nossa feira, muitos caçadores e também muita gente que veio participar na feira do turismo e por tudo isto faço um balanço extremamente positivo”, considera Sílvia Garcia.Segundo os dados fornecidos pela organização, passaram pelo certame cerca de 20 mil visitantes e 120 expositores.
O município de Macedo de Cavaleiros tem vindo a reduzir o orçamento que este ano rondou os 80 mil euros, menos 20 por cento que no ano anterior.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt   

Imigrantes elegem Bragança para viver

 

320 Pessoas de 24 nacionalidades participaram, no passado sábado, no IX Encontro “Bragança e a Comunidade internacional”. Um número que o autarca de Bragança considera “fantástico” visto que superou as inscrições previstas. “Acho que este é o encontro que juntou mais pessoas, muitos jovens e muitas famílias, superou as inscrições que tínhamos que andariam nas 290, o que é muito bom”, realça Jorge Nunes.  O presidente do Município afirma que os brigantinos só têm a ganhar com a presença destas pessoas na cidade. “Nós temos que criar um ambiente amigável em Bragança para esses jovens sobre o ponto de vista da segurança, seja nos alojamentos, seja na restauração e também sobre o ponto de vista da competitividade económica”, acrescenta.Bragança é uma cidade atractiva para estudantes e famílias oriundos de outros países. A prova disso é a satisfação que estes demonstraram.Ao longo do dia os imigrantes participaram em provas desportivas, visitas a monumentos culturais e almoço colectivo, no mercado Municipal.
Um dia que ficou marcado pelo convívio.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt  

Programa Escolhas apoiou mais de mil crianças e jovens em Mirandela



Terminou mais uma etapa do projecto Incentivar – Escolhas 4ª Geração, implementado em Mirandela. O programa, que vai agora para a 5ª geração, visa a integração social, o insucesso escolar e ainda o envolvimento e o apoio às famílias desfavorecidas.O coordenador do projecto diz que ao longo do programa criou-se uma família que se juntou, no passado sábado, numa gala comemorativa que marcou o encerramento desta etapa. “Queremos aproveitar este momento para agradecer e passar o momento com toda a família, porque realmente isto já é quase a famílias Escolhas com os vários parceiros”, explica Francisco Mendonça.Em 3 anos integraram este projecto 1077 crianças e jovens com um envolvimento total de 144 famílias. “ Muitas vezes é difícil de quantificar ou avaliar o nosso trabalho, mas pela adesão que tivemos nas actividades e pela participação das famílias consideramos um balanço muito positivo”, conta o coordenador.Na gala de encerramento actuaram grupos de dança, de teatro e música que surgiram dentro do projecto.
Finda esta etapa segue-se uma nova geração do Escolhas, que será a 5ª geração, onde o objectivo é continuar a proporcionar diversas actividades e apoios a crianças e jovens.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Macedo de Cavaleiros: Não é estratégia estar a "compartimentar" o setor turístico

 A secretaria do Estado do Turismo defende que na área turística, “não é estratégia estar a compartimentar setores de atividade”, e só se podem criar mais-valias - económicas se souber juntar os setores tradicionais com outras valências, já que assim há uma promoção diversificada dos produtos endógenos.

Cecília Meireles falava no decurso da Freira da Caça e do Turismo que decorreu em Macedo de Cavaleiros, afirmando ainda “que tudo que o que se faz em prole do setor turístico tem de funcionar como um todo”.
Por seu lado, o presidente da Primeira Região Cinegética, Castanheira Pinto é da opinião “que os responsáveis pelo turismo em Portugal têm ignorado a atividade da caça como produto turístico”.
“ O turismo com tutela tem ignorado o setor da caça ao longo dos anos”, frisou
Ponto de vista dados a conhecer, no decurso da Feira da Caça e do Turismo, um certame de que juntou cerca de 150 expositores, e que segundo a organização consegui escapar às teias da crise.
Retirado de www.rba.pt

GNR de Torre D. Chama vai ter quartel novo


A antiga Casa do Povo da vila de Torre de Dona Chama vai ser adaptada para receber o novo quartel da GNR.
A obra representa um investimento de cerca de 470 mil euros.O protocolo foi assinado ontem.Para a presidente da Junta, este foi o concretizar de uma reivindicação que já tem uma década. Paula Lopes afirma que o actual quartel já não reúne as condições necessárias para acolher esta força de segurança.Para o comandante Distrital da Guarda Nacional Republicana, Sá Pires, as novas instalações irão permitir um melhor atendimento às populações.Ao reabilitar as antigas instalações da Casa do Povo, a obra irá ficar cerca de 30% mais barata. Este projecto tem um custo de 470 mil euros, é financiado em 85% pela união europeu, a Junta de freguesia e a autarquia de Mirandela disponibilizam o espaço, e o Ministério da Administração Interna paga o remanescente. Para o secretário de estado adjunto do MAI, Silva Peneda, é fundamental dar condições de operacionalidade às forças de Segurança para que a própria população se sinta mais protegida.O novo Quartel da GNR de Torre D. Chama terá capacidade para 25 efectivos. Pegando neste numero, e tendo em conta que neste momento só existem 12 guardas neste posto, o presidente da Câmara de Mirandela espera que seja preenchido o quadro de pessoal
A inauguração do novo quartel da GNR em Torre Dona Chama deverá acontecer em Janeiro de 2014.

Escrito por Terra Quente (CIR)
Retirado de www.brigantia.pt

Autarca de Mirandela quer promoção da Esquadra da PSP a Divisão

Promover a esquadra da PSP de Mirandela a Divisão. Este foi o pedido do presidente da Câmara ao director nacional da PSP e ao Secretário de Estado Adjunto do Ministro da Administração Interna, durante as comemorações do dia da esquadra de Mirandela, que foi assinalado ontem. Em 24 de Janeiro de 1950, começou a funcionar o Posto Policial de Mirandela. Na altura, o efectivo era constituído por 1 Subchefe e 10 Guardas. Assim foi criada e iniciou funções de segurança pública a única Esquadra da PSP do Distrito a funcionar fora da cidade de Bragança. Com o objectivo de relembrar a história da PSP no Comando foi decidido instituir este dia como o “Dia da Esquadra de Mirandela”, com uma série de actividades.O dia foi aproveitado pelo presidente do Município para fazer um pedido de promoção da esquadra a divisão. Actualmente, a esquadra destacada tem cerca de meia centena de efectivos, divididos por secções de trânsito, investigação criminal, programa especiais, coordenados por um sub-comissário. Em caso de promoção a divisão, implicaria um comissário e dois sub-comissários, e mais agentes. António Branco justifica esta reivindicação com o crescimento urbano de Mirandela e com a rentabilização da nova esquadra inaugurada em Maio de 2011.O secretário de Estado adjunto do MAI, Silva Peneda, apesar de elogiar as condições da nova esquadra passou a bola para o director nacional da PSP.Sobre este desejo, o director nacional da PSP diz ser prematuro responder. Paulo Valente Gomes adianta que essa possibilidade será avaliada este ano durante a reforma da lei orgânica da PSP.
Ainda é cedo para decidir, mas a promoção da esquadra da PSP a divisão vai estar em discussão nos próximos tempos.

Escrito por Terra Quente (CIR)
Retirado de www.brigantia.pt

Número recorde de expositores na Feira do Fumeiro de Vinhais

A Feira do Fumeiro de Vinhais está à porta e vai ter o maior número de expositores de sempre. O certame cresce ano após ano e a organização, a cargo da Câmara Municipal de Vinhais, em parceria com a Associação Nacional de Criadores de Suínos de Raça Bísara, espera receber, este ano, mais de 50 mil visitantes.A coordenadora da Feira, Carla Alves, diz que a 15 dias da feira já estão confirmados 450 expositores e admite mesmo que até ao dia 7 de Fevereiro o número ainda pode aumentar.Os produtores de fumeiro à moda de Vinhais são oriundos de seis concelhos transmontanos. A qualidade dos enchidos é garantida pela organização da feira.Para promover o porco bísaro e o fumeiro de Vinhais, também vai ser criada uma confraria, que vai reunir cerca de 30 pessoas.A par do fumeiro, dos produtos regionais e da gastronomia típica, os visitantes também podem experimentar, este ano, passeios equestres pela vila.Para as crianças, vai ser criado, pela primeira vez, um parque infantil.
A Feira do Fumeiro de Vinhais decorre de 7 a 10 de Fevereiro.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

sexta-feira, 25 de janeiro de 2013

"Feira da Alheira de Mirandela": Alfândega do Porto e Mirandela recebem a rainha da gastronomia portuguesa

É um dos produtos tradicionais mais apreciados pelos portugueses, que a declararam vencedora das Sete Maravilhas da Gastronomia Portuguesa e vai ser o tema central da Feira da Alheira, a decorrer na Alfândega do Porto entre 1 e 3 de fevereiro e em Mirandela nos dias 24 e 25 de fevereiro e 2 e 3 de março.

A Alheira de Mirandela, cuja história remonta a finais do século XV, tem conquistado um lugar de destaque na gastronomia portuguesa. A tradição na sua confeção e o paladar têm-se mantido ao longo dos anos, tornando-a numa das referências da cozinha nacional.

Durante 4 dias no Edifício da Alfândega do Porto e outros 4 dias no Parque do Império em Mirandela, a alheira será a figura central de um evento destinado a divulgar este património rico e inigualável.

A Feira da Alheira leva até ao Porto as melhores tradições transmontanas, patentes não só neste produto certificado, mas também numa gastronomia de exceção, representada por vários restaurantes que marcarão presença no Edifício da Alfândega que por estes dias será uma embaixada temporária de Mirandela, dos seus melhores sabores e tradições e que dará a conhecer a um público urbano as raízes e saberes de uma região que desperta cada vez mais interesse.

Em Mirandela, o evento regressa ao Parque do Império e, tal como no Porto, além da venda e degustação da Alheira de Mirandela e da presença de vários produtores, a Feira da Alheira vai ter também uma mostra de produtos e artesanato regionais e muita animação.

Retirado de noticiasdonordeste.com

Abertura oficial da XVII Feira da Caça e VII Feira de Turismo conta com a presença da Secretária de Estado

A Secretária de Estado do Turismo, Cecília Meireles, preside à abertura oficial da XVII Feira da Caça e VII Feira de Turismo que se realiza no dia 25 de janeiro pelas 18 horas no Parque Municipal de Exposições de Macedo de Cavaleiros.



Nesse mesmo dia, pelas 14.30h, tem início o Seminário: Temática da Caça e do Turismo. A abertura será feita por Fernando Rui Castanheira Pinto, Presidente da Federação das Associações da 1ª Região Cinegética, e Beraldino Pinto, Presidente da Câmara Municipal de Macedo de Cavaleiros e a moderação estará a cargo de Melchior Moreira, Presidente da Turismo do Porto e Norte de Portugal.

Na área turística serão abordados os apoios a investimentos no âmbito do QREN e outros apoios financeiros, nomeadamente pela banca. António Paquete é o orador em “QREN: resultados até 31 de dezembro de 2012 – Candidaturas abertas” e Jorge Alves é responsável pelo tema “BES: Protocolos Turismo de Portugal/Banca e outros sistemas de apoios financeiros. Depois do intervalo, está reservada a abordagem cinegética em “Caça e Floresta – Um recurso sustentável” pelo orador João Manuel Soares, ex. Secretário de Estado das Florestas.

O presidente da Entidade Regional do Turismo do Porto e Norte de Portugal, Melchior Moreira também irá participar na abertura oficial. Os certames decorrem em simultâneo entre os dias 24 e 27 de janeiro e atraem milhares de pessoas ao concelho de Macedo de Cavaleiros, congregando duas importantes temáticas da região.

Durante os quatro dias dos eventos, os visitantes terão a oportunidade de acompanhar inúmeras atividades, desde conhecer a oferta turística da região, caça e deliciar-se com sabores e cheiros únicos da rica e variada gastronomia macedense.

A organização preparou um conjunto de atividades um pouco por todo o concelho, passagem obrigatória para centenas de caçadores nacionais e espanhóis, que aqui se deslocam para participarem nas afamadas montarias, na Prova de Santo Huberto, no leilão de javalis e nos rituais venatórios que são os julgamentos.

Para os mais aventureiros, a organização convida a conhecer um pouco deste destino turístico de excelência que é o Geoparque Terras de Cavaleiros, através de Passeios TT, Moto-Turístico, Pedestre e de automóveis antigos.

Retirado de noticiasdonordeste.com

“Um sorriso para Timor”

“Um sorriso para Timor” integra o Plano Anual de Atividades do Agrupamento de Escolas D. Afonso III de Vinhais e dá corpo ao Projeto Educativo “Uma Escola com um sorriso".




Este projeto pretende sensibilizar e mobilizar a comunidade para a promoção valores e atitudes de solidariedade através de uma campanha de recolha de jogos, brinquedos e livros infantis a favor das crianças que frequentam as Escolas de Referência de Timor-Leste, leccionadas por Professores e Educadores de Infância Portugueses.

“Em parceria com a Câmara Municipal de Vinhais este projeto solidário tem ainda a preciosa colaboração do Centro de Arte Contemporânea Graça Morais e da Escola Superior de Educação. Mais Instituições referiram já a intenção de colaborarem com o Agrupamento de Escolas de Vinhais, das quais vos daremos conta brevemente”, refere a Direção do Agrupamento de escolas de Vinhais em comunicado dirigido à imprensa.

Está ainda a ser programado a realização de um concerto com data a divulgar posteriormente.

Os interessados em participar nesta campanha poderão deixar o seu contributo em qualquer dos locais mencionados, numa das caixas elaboradas para o efeito, até ao dia 15 de Fevereiro.

Os responsáveis pela campanha apelam solidariedade e colaboração de todos os transmontanos nesta campanha, porque sublinham, “todos temos responsabilidades sociais e porque a solidariedade não tem fronteiras”.

Retirado de noticiasdonordeste.com

Bloco de Esquerda denuncia despedimentos na Aerovip

aerovip.jpg
Foram despedidos18 trabalhadores e há mais14 com o posto de trabalho em risco na empresa Aerovip, que terminou em Novembro passado as ligações aéreas entre Bragança e Lisboa.
A denúncia é do Bloco de Esquerda, que diz que esta situação se deve às dificuldades operacionais e financeiras provocadas pela decisão do Governo, que suspendeu este serviço.As deputadas Ana Drago e Mariana Aiveca questionam agora o Ministério da Economia e do Emprego sobre o futuro das ligações aéreas regionais.Ana Drago mostra-se preocupada com a situação dos trabalhadores da Aerovip e diz mesmo que a estrutura que assegurava a ligação aérea até Bragança está na iminência de ser desmontada.“Estamos a falar de dezenas de trabalhadores que estão agora em risco de despedimento e do possível encerramento e do possível desmontar de toda a estrutura de ligação aérea. Portanto estamos perante uma questão complicada. Hoje em dia a questão das acessibilidades e da interligação do País é uma questão determinante neste contexto de crise. Não podemos permitir que se criem novos desempregados que se desarticulem estas estruturas de mobilidade e de acesso a regiões periféricas do País, porque elas são determinantes para a coesão do território”, salienta a deputada. Por isso, o Bloco de Esquerda quer saber quais são intenções do Governo em relação à carreira aérea Bragança-Vila Real- Lisboa.“Devo-lhe dizer que temos imensas dúvidas, porque o Governo nesta matéria não foi claro e portanto o que nós queremos perceber é se o Governo está consciente da situação que está a acontecer e se tem uma estratégia”, questiona Ana Drago.
As deputadas do Bloco de Esquerda na Assembleia da República preocupadas com o futuro de dezenas de trabalhadores da Aerovip.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

PS quer ambulância SIV em Macedo de Cavaleiros

ambulanciasiv.jpgO presidente da comissão política concelhia do PS de Macedo de Cavaleiros defende que a ambulância de Suporte Imediato de Vida (SIV) que estava prevista ser instalada na cidade deveria estar a funcionar.Este meio de emergência deveria ter sido colocado pelo INEM a 1 de Outubro, mas não se concretizou uma vez que o helicóptero acabou por permanecer em Macedo de Cavaleiros, na sequência da providência cautelar interposta pelos autarcas do distrito de Bragança.O presidente da concelhia socialista defende a permanência do helicóptero na cidade, mas considera que a ambulância também faz falta.“É certo que o helicóptero não está o serviço do concelho de Macedo, mas sim de toda a região e a instalação da viatura SIV está a ser prejudicada pelo facto de o helicóptero lá estar sediado, o que nós lamentamos”, refere Rui Vaz.O socialista acrescenta que, para garantir o socorro no concelho de Macedo de Cavaleiros, a ambulância SIV seria mais vantajosa do que o helicóptero.
“Dentro do concelho de Macedo o helicóptero praticamente não se desloca, a não ser numa situação extrema. Com um meio terrestre pode atender-se um caso de emergência muito melhor”, afirma, acrescentando que “o INEM não coloca no terreno a viatura SIV pelo facto de ali estar instalado o helicóptero, o que não está correcto”. Rui Vaz diz mesmo que “não se entende porque é que está a ser construída uma infra-estrutura dentro do hospital de Macedo para servir de protecção à viatura e afinal de contas ela não é para ser instalada”.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Parques naturais integram Reserva da Biosfera Transfronteiriça

parque_natural_de_montesinho.jpgOs parques naturais de Montesinho e do Douro Internacional vão integrar a candidatura daquela que será a maior Reserva da Biosfera Transfronteiriça da Europa.O projecto é promovido pelo Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial – ZASNET e integra também os parques naturais da Sanábria e das Arribas do Douro, em Espanha.O presidente daquela estrutura, Jorge Nunes, realça que o objectivo é apresentar a candidatura à UNESCO já no próximo mês de Março e mostra-se confiante quanto à sua aprovação.“A UNESCO define um conjunto de critérios e nós pensamos que a região cumpre as exigências em termos de critérios para aprovação e estamos com alguma confiança nesse âmbito”, afirma o edil. Para o autarca de Bragança, a constituição desta Reserva da Biosfera é uma janela de oportunidades para a região.“Quando viajamos e entramos num território que tem essa classificação da UNESCO sabemos que estamos num território de elevada qualidade, que é diferenciado no conjunto dos restantes territórios. Há um conjunto de oportunidades significativas para o Turismo, para a valorização dos produtos da região”, salienta o autarca.
O projecto da Biosfera Transfronteiriça é constituído por quatro parques naturais e diversos espaços de Rede Natura dos dois lados da fronteira.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Projectos estratégicos para desenvolver os dois lados da fronteira

parquecienciaetecnologia.jpg
A inovação, o empreendedorismo e os produtos tradicionais são as principais áreas que fazem parte do Plano Estratégico de Cooperação e Desenvolvimento Territorial para 2014-2020.
Ontem os municípios do distrito e da vizinha Espanha que integram o Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial – ZASNET reuniram em Bragança, para debater as prioridades de acção para os próximos seis anos.O presidente do ZASNET, Jorge Nunes, diz que para já ainda é prematuro falar em projectos concretos, mas sublinha que o plano de acção vai ver elaborado tendo em conta as prioridades ao nível da cooperação transfronteiriça.“Vamos centrar-nos muito na área da Economia, da Inovação, do Empreendedorismo, nos produtos tradicionais, que são recursos do nosso território, a Energia. Há projectos imateriais obrigatórios num quadro de cooperação transfronteiriça na área do ambiente, turismo, serviços. Há um campo muito vasto, os projectos serão muitos, vão ter que ser hierarquizados, estamos a entrar agora na fase em que os parceiros procederão à listagem dos projectos que lhes parecem relevantes num quadro de cooperação transfronteiriça”, salienta o autarca. Há projectos que já estão em curso que também vão ser integrados neste plano, como é o caso do Parque de Ciência e Tecnologia de Trás-os-Montes e Alto Douro.“Há projectos dos dois lados da fronteira que estão agora a ser desenvolvidos que vão ter obrigatoriamente que beneficiar de fundos comunitários para se consolidarem. O parque Ciência e Tecnologia está numa primeira fase e precisa de novos apoios. Do lado de Espanha há projectos similares que também precisam de apoio. Projectos que têm que ser enquadrados no âmbito de uma estratégia comum, esse é o objectivo”, enfatiza Jorge Nunes.
Os municípios portugueses e espanhóis unidos na elaboração de candidaturas transfronteiriças para apresentar no âmbito do próximo quadro comunitário de apoio.

Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt