sexta-feira, 31 de maio de 2013

Homenagem ao padre Fontes em Montalegre

     A Câmara Municipal de Montalegre presta mais uma homenagem ao padre Fontes, desta feita, pelos 50 anos de vida sacerdotal. Acontece no próximo dia 27 de Julho. As inscrições para o jantar estão abertas até 20 de Julho.

Os 50 anos de sacerdócio do padre Fontes vão ser celebrados no próximo 27 de Julho com uma festa de homenagem promovida pela Câmara Municipal de Montalegre. É mais um render de vénia que se junta a outros já realizados à figura viva mais emblemática do concelho de Montalegre.

Quem quiser participar nesta festividade deve dirigir-se, até 20 de Julho, ao Ecomuseu de Barroso e fazer a respetiva inscrição (30 euros). Serão dados mais pormenores ao longo das próximas semanas.
 

Acordo com subconcessionária Transmontana poupa 98 milhões ao Estado

     Secretário de Estado sublinhou ainda que a comissão de negociação das PPP “continua a trabalhar”, lembrando que ainda faltam seis subconcessões.

A comissão de negociação dos contratos das parcerias público-privados (PPP) chegou a acordo com a subconcessionária a Auto-Estradas XXI Transmontana representando para o Estado um benefício de 98 milhões de euros, adiantou esta quinta-feira o secretário de Estado das Obras Públicas, Sérgio Monteiro.

“Temos um pacote de 81 milhões de euros de redução de custo e de 17 milhões de euros de acréscimos de receita [pagos pela subconcessionária este ano à Estradas de Portugal], 98 milhões de euros no global de benefício para o parceiro público”, avançou Sérgio Monteiro, referindo-se ao acordo alcançado com a primeira subconcessionária.

O governante detalhou que “foi possível” com o acordo “conseguir uma redução dos pagamentos para os anos futuros de 81 milhões de euros” por via da redução das taxas de rentabilidade e da redução da manutenção corrente e das grandes reparações, “havendo ainda um pagamento a efectuar em 2013 pela subconcessionária à Estradas de Portugal de 17 milhões de euros”.

“Foi possível encontrar soluções ao nível da construção que pouparam dinheiro no valor global da obra. A obra é feita mais barata”, explicou.

O governante lembrou que “tinha sido dada maior urgência às concessões com impacto em termos de custo em 2013” e avançou ainda que o processo terá que ter a aprovação dos bancos e o visto prévio do Tribunal de Contas, “inaugurando os acordos relativamente às subconcessões”.

Sérgio Monteiro sublinhou que a comissão de negociação “continua a trabalhar”, lembrando que ainda faltam seis subconcessões.
     
Lusa, 2013-05-31
Retirado de www.diariodetrasosmontes.com  

Agricultores têm mais tempo para se registarem nas Finanças

     Prazo foi adiado pela segunda vez. Agricultores que tenham um rendimento anual bruto superior a 10 mil euros são agora obrigados a abrir actividade.

O Governo adiou, pela segunda vez, o prazo para os agricultores se registarem nas Finanças ou comunicarem alterações de actividade. Segundo informou esta quinta-feira o Ministério das Finanças, o prazo é prolongado até 31 de Outubro, “sem quaisquer acréscimos ou penalidades”.

Todos os agricultores com actividade comercial vão passar a ser obrigados a declarar o início de actividade e estão sujeitos a IVA se obtiverem um rendimento anual bruto superior a 10 mil euros.

Em comunicado emitido esta quinta-feira, o Ministério de Vítor Gaspar justifica o adiamento com as “diversas questões” levantadas pelos pequenos agricultores em relação à adaptação ao regime geral de IVA, nomeadamente no que se refere à obrigação da entrega das declarações de início de actividade e de alterações a essa mesma actividade.

\"Nestes termos, afigura-se conveniente permitir um alargamento do prazo concedido para o enquadramento no regime geral de IVA aos agricultores que, à data de 31 de Dezembro de 2012, se encontravam abrangidos pelo regime de isenção”, justifica o Ministério.

Esta é a segunda vez que o Governo adia este prazo: limite inicialmente foi fixado para 1 de Abril de 2013 e depois protelado para 31 de Maio.

O fim do regime de isenção do IVA para os agricultores resultou de uma decisão do Tribunal de Justiça Europeu, que considerou que este era “contrário ao disposto na directiva do IVA”.

As alterações têm sido contestadas por várias organizações que pedem a suspensão destas medidas, nomeadamente as que terão mais consequências para a agricultura familiar.

Assim, serviços como a poda de árvores, operações de sementeiras e colheitas, engorda de animais ou armazenagem de produtos, bem como actividades agrícolas em geral (incluindo viticultura, horticultura e produção de cogumelos) e criação de animais, sejam eles aves, coelhos, abelhas, caracóis, cães ou bichos-da-seda, passam a estar sujeitos à taxa mínima de IVA de 6% se os rendimentos globais forem superiores a 10 mil euros.
      
Lusa, 2013-05-31
Retirado de www.diariodetrasosmontes.com

Passos Coelho em Trás-os-Montes

passos_coelho.jpg
Pedro Passos Coelho inicia hoje uma visita à região transmontana.
À tarde, o Primeiro-Ministro vai marcar presença na cerimónia de entrega dos prémios do Douro Empreendedor, em Vila Real. Amanhã de manhã está em Bragança, onde vai participar na formalização da autorização para o início da construção da barragem de Veiguinhas.Para o presidente da Federação Distrital do PS, Jorge Gomes, a vinda de Passos Coelho à região só faz sentido, se trouxer uma resposta concreta sobre a ligação aérea Bragança- Vila Real- Lisboa e sobre o Túnel do Marão.O presidente da Distrital do PSD partilha da mesma posição. José Silvano diz mesmo que fica desiludido se o Primeiro- ministro não der uma resposta aos transmontanos sobre o Túnel e sobre o avião.
Pedro Passos Coelho inicia hoje a primeira visita oficial como Primeiro-Ministro à região. São esperadas respostas concretas sobre a conclusão do Túnel do Marão, as obras estão paradas há quase dois anos, e sobre a carreira aérea regional, que também está suspensa há meio ano.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Mais de 400 pessoas aprenderam a salvar vidas em Bragança

reanimacao.jpg
Cerca de 400 pessoas aprenderam, ontem, a agir numa situação de emergência, em Bragança. São pequenos gestos que podem salvar vidas.
O Director Clínico da Unidade Local de Saúde do Nordeste, Domingos Fernandes, mostrou-se satisfeito com a adesão da população, que foi superior ao esperado. O enfermeiro Alípio Marcos, um dos formadores, considera estes pequenos gestos tão importantes como a intervenção do INEM.Maria Martins foi uma das participantes nesta formação inédita no País. Considera que estes ensinamentos são fundamentais para o dia-a-dia.Esta formação em suporte básico de vida foi organizada pela ULS do Nordeste e pelo INEM, em parceria com Câmara Municipal de Bragança.
O curso decorreu nas cidades de Bragança e de Mirandela.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Testemunhos de resiliência na procura de um emprego

cabo_trabalhos.jpg
Persistência e resiliência são palavras que descrevem bem a história de Ana Falcão.
Veio da aldeia de Bemposta, no concelho de Mogadouro, para Bragança à procura de um trabalho estável. E não se cansa de procurar. Esta é uma das 22 histórias compiladas no livro “Cabo dos Trabalhos, dedicado à exclusão e inclusão no mercado de trabalho.Ana Falcão espera que o seu testemunho dê força a outras pessoas que como ela continuam à procura de um emprego estável. Ainda assim, defende que a família está em primeiro lugar.Júlio Paiva, um dos autores do livro, garante que foram percorridos mais de três mil quilómetros por 13 distritos do País, para encontrar histórias com que se identificam muitos portugueses.
A obra foi lançada em Bragança e resulta de uma parceria entre a Rede Anti- Pobreza Portugal e o Instituto de emprego e Formação Profissional.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Tenda Armada no IPB

auditorio_arlivre_ipb.jpg
O Anfiteatro ao Ar Livre do Instituto Politécnico de Bragança está decorado a preceito para receber a 3ª Edição da Tenda Armada.
A actividade é organizada pelos alunos do 3º ano do curso de Animação e Produção Artística, no âmbito da disciplina de Gestão de Projectos. Vítor Gonçalves, da organização do evento, assegura que são oferecidos três dias de experiências diferentes ao ar livre.Diogo Azevedo, outro aluno envolvido na organização, destaca a partilha de arte ao ar livre.Os workshops têm um custo de dois euros.
A Tenda Armada decorre até amanhã no auditório ao ar livre do IPB.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

quinta-feira, 30 de maio de 2013

Ronda das Adegas




























 
 
 
 


Solidariedade

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Festa da Cereja, 2013

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Moncorvo comemora “Dia Mundial da Criança” com cinema

No próximo dia 3 de Junho os alunos dos jardins-de-infância do concelho de Moncorvo e Centro Paroquial de Torre de Moncorvo assistem à exibição do filme “Back to Gaya – Pequenos Heróis” pelas 10h00 no Cine-teatro de Torre de Moncorvo.


À tarde são os alunos do 1º ciclo de Torre de Moncorvo que participam na sessão de cinema. A festa contará ainda com uma pequena surpresa e um lanche convívio entre os alunos.

O filme de animação conta a história de uma divertida corrida de criaturas de orelhas peludas, muito mais pequenas que os humanos, que se encontram em vias de extinção porque alguém roubou o cristal mágico, o Dalamite, sem o qual o seu mundo não consegue sobreviver. É então que Boo e Zino embarcam numa perigosa missão para o recuperar.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

MTI fez ponto de situação do projeto das Minas de Ferro de Moncorvo

No passado dia 24 Maio, Sexta-feira, a MTI Ferro de Moncorvo S.A comemorou em Torre de Moncorvo o Dia Europeu dos Minerais.






Durante o dia realizaram-se atividades experimentais na área da geologia com os alunos do Agrupamento de Escolas de Torre de Moncorvo e às 18h00 decorreu a conferência “Da Jangada de Pedra de José Saramago ao Minério de Ferro de Torre de Moncorvo: uma visita ao nosso passado mais remoto”.

A palestra, da responsabilidade de Rui Dias, Professor Associado com Agregação da Universidade de Évora com experiência na estrutura da região, ajudou os presentes a perceber o porquê da existência do jazigo de ferro de Moncorvo.

De seguida teve lugar a inauguração da exposição “Evolução; Portugal antes da História”, na antiga estação ferroviária de Torre de Moncorvo, que poderá ser visitada até ao dia 24 de Junho.

O Presidente da Câmara Municipal de Torre de Moncorvo, Aires Ferreira, presidiu ao ponto de situação do projeto das minas de ferro de Moncorvo. Referiu que o Município está satisfeito com o rumo que as coisas estão a levar e com os 0,5 % dos royalties destinados a projetos locais e regionais.

No entanto, aproveitou o momento para mostrar à representante do Secretário de Estado da Energia e Geologia, Teresa Ponce de Leão, presente na cerimónia, as suas preocupações relativamente à entrega da gestão desses projetos à Direção Regional de Energia e Geologia, esperando que na contratualização da exploração definitiva seja salvaguardada uma forma de gestão em que o Município tenha uma palavra a dizer.

Vítor Correia, Presidente do Conselho de Administração da MTI, explicou os trabalhos que a empresa está a desenvolver na região desde a avaliação dos recursos geológicos, o tipo de produtos, o mercado e a procura potencial, as opções de lavra, as opções logísticas estando a empresa a estudar atualmente o transporte do minério através do Rio Douro e os Estudos de Impacto Ambiental que estão decorrer a bom ritmo. 

Encerrou a sessão Teresa Ponce Leão, Presidente do Laboratório Nacional de Energia e Geologia, que referiu que o potencial geológico de Portugal representa cerca de 1% do produto interno bruto e que este recurso que Torre de Moncorvo possui muito contribui para este valor. Salientou ainda que tomou nota e vai levar as preocupações do Presidente da Câmara, acrescentando que os recursos devem ser usados com responsabilidade e devem ser em 1ª instância usados na região que os produz.

Oficina de cuscos pretende reabilitar tradição gastronómica do concelho de Vinhais

A Associação TARABELO vai organizar no fim-de-semana dos dias 29 e 30 de junho, na aldeia de Fresulfe, uma oficina sobre um peculiar alimento transmontano designado de cusco.




A Associação TARABELO é uma organização sediada em Vinhais, Trás-os-Montes, que explora as temáticas do desenvolvimento rural e da conservação da natureza e tem por principal objectivo a criação de sinergias que possam tornar as aldeias e o seu peculiar modo de vida atractivas aos seus habitantes, dando a conhecer o seu património e a sua profunda ligação com a manutenção da biodiversidade.

Após a celebração da importância dos Moinhos-de-água e a colocação em funcionamento dos mesmos no passado mês de Abril, a Tarabelo pretende agora chamar a atenção para a existência do Cusco transmontano.

O Cusco é um alimento produzido a partir da farinha da variedade de trigo barbela, e chegou ao nosso país através da influência magrebina, aquando da presença muçulmana em Portugal.

Tendo desaparecido de lugares mais evidentes como o sul e centro de Portugal, encontra-se bem cristalizado na tradição transmontana, apesar do seu sério risco de desaparecimento.

Este saboroso recurso gastronómico encerra histórias e saberes ancestrais, que Associação TARABELO pretende dar a conhecer a todos, com o apoio das mulheres que ainda mantêm esta actividade.

Mais dados sobre os cuscos



Os cuscos de Trás-os-Montes, feitos a partir do trigo Barbela, são outro exemplo da transformação de um recurso local num alimento que pode conservar-se durante largos meses, e que no passado substituía produtos como a massa e o arroz, mais pesados para a economia familiar, e por isso consumidos sobretudo em dias de festa.

Os cuscos chegaram à Península Ibérica pela mão dos conquistadores muçulmanos, que os trouxeram do Magrebe, onde eram um alimento importante das tribos berberes. É com alguma perplexidade que os vamos encontrar hoje em Trás-os-Montes, uma região que quase não sofreu influências da cultura muçulmana. Contudo, se pensarmos que nas suas terras isoladas se refugiaram muitos judeus herdeiros das tradições alimentares andaluzas e magrebinas, talvez estejamos no bom caminho para desvendar esse mistério.

Sabe-se que no século XVI eram vendidos nas ruas de Lisboa e que serviam para aplacar a fome dos plebeus, embora também seduzissem os paladares dos nobres e da realeza. D. João III foi um dos reis que não lhe resistiu e o neto, D. Sebastião, chegou a legislar contra o seu consumo excessivo.

Os cuscos começaram por acompanhar as rotas da islamização, mas aos poucos seguiram o rumo de outras conquistas, expansões e emigrações e espalharam-se pelo mundo. No Brasil, em Cabo Verde, em Macau e em Moçambique há pratos de cuscos, preparados com os ingredientes locais, como a mandioca, o inhame, o milho ou o arroz. Muito diferentes entre si, estes cuscos, ou cuscuz, como mais frequentemente se chamam, escondem retalhos de história comuns, a que os portugueses, nalguns casos, não são alheios.

Dos cuscos se pode dizer que são grãos carregados de memória. Mas não são grãos simples, nascidos da terra. Antes resultam de gestos hábeis, suaves e pacientes de mulheres que acariciam a farinha até a transformarem em pequenos flocos brancos.

Gestos que guardam as memórias onde muitos reconhecem a sua identidade e que a outros permitem descobrir sabores que não reconheciam como nossos.

Acabados de cozer a vapor, os cuscos chamam-se «carola», e são comida de refeições rápidas e frugais, como o pequeno-almoço ou o lanche, simples ou acompanhados com açúcar e mel. Ainda quentes, costumavam ser a tentação da criançada, que tentava sempre surripiar um pouco, para satisfação da sua gulodice.

Quando secos, os cuscos transmontanos cozinham-se de forma semelhante ao arroz e associados aos produtos locais, como os enchidos ou os cogumelos silvestres. Também se preparam cuscos doces, cozidos em leite e enfeitados com canela, numa receita idêntica à do arroz-doce sem ovos.

Versáteis na adaptação aos produtos e ao receituário da região e de sabor inimitável, os cuscos sobreviveram em Trás-os-Montes durante séculos. Hoje são, para muitos, surpresas que descobrem nas feiras e nos mercados locais ou nas mesas hospitaleiras dos transmontanos. Produto antigo mas inteiramente actual, os cuscos avivam memórias para uma história a refazer, para uma actividade tradicional a renova
” – in MemóriaMédia.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Via verde alargada para prevenir infecções graves

urgencia_bgc.jpg
O Nordeste Transmontano integra um projecto pioneiro no Continente para detectar e tratar infecções graves.
A Via Verde Integrada de Sepsis foi apresentada, ontem, em Bragança, e pretende chegar aos 144 mil habitantes abrangidos pela Unidade Local de Saúde do Nordeste. Na urgência do Hospital de Bragança já estava a funcionar, há cerca de três anos, uma via verde para a detecção precoce deste tipo de infecções. Agora este serviço vai ser alargado a mais unidades da ULS do Nordeste.O director clínico, Domingos Fernandes, garante que esta Via Verde da Sépsis é fundamental para reduzir o número de mortes provocadas por infecções graves.Esta nova via verde integrada funciona em parceria com a rede de emergência médica. O director da Delegação Norte do INEM, Paulo Mergulhão, não tem dúvidas que este processo vai melhorar a assistência a doentes com infecções graves.Para garantir o funcionamento desta Via Verde Integrada da Sepsis foi dada formação a cerca de 100 profissionais de saúde.Ontem, a ULS do Nordeste também organizou uma sessão de esclarecimento sobre os riscos da toma excessiva de antibióticos.José Artur Paiva, coordenador do Programa Nacional de Prevenção das Resistências aos Antimicrobianos e coordenador Nacional da Via Verde da Sepsis, apela às pessoas para não se automedicarem com antibióticos, porque correm o risco de criar resistência a bactérias que podem causar graves complicações de saúde.
A ULS do Nordeste a reforçar e a alargar os meios de diagnóstico de infecções graves. E ao mesmo tempo a alertar para os riscos da toma excessiva de antibióticos.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Crianças participam em actividades no Dia Mundial da Energia

energia.jpg O Instituto Politécnico de Bragança, assinalou, ontem, o Dia Mundial da Energia. A Escola Superior de Educação organizou várias actividades para as crianças, de forma a sensibilizá-las para uma utilização mais racional da energia. A professora do IPB, Maria José Rodrigues, assegura que estas actividades têm um papel fundamental na formação dos alunos.E as crianças da Escola dos Formarigos, em Bragança, mostraram-se entusiasmadas com as experiências realizadas no Laboratório de Ciências.
Os Laboratórios de Ciência da Escola de Educação receberam os mais pequenos, que participaram em várias actividades de sensibilização para os problemas ambientais, associados ao uso exagerado da energia.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

quarta-feira, 29 de maio de 2013

Partiu o Dr. Damasceno Campos

Mirandela ficou mais pobre, com a partida inesperada do meu amigo e ilustre mirandelense, Dr. José Damasceno Campos. O funeral segue hoje de Leiria, onde actualmente residia, para Mirandela. Aqui, na Igreja Matriz, de Nossa Senhora da Encarnação, será rezada uma misa de corpo presente pelas 15H00, indo depois a sepultar no cemitério de Mirandela.
O Dr. Damasceno Campos era pai da Dr.ª Isabel Damasceno, ex-Presidente do Município de Leiria.
O Dr. Damasceno era licenciado em Histórico-Filosóficas e em Direito pela Universidade de Coimbra e foi Governador Civil de Bragança e de Leiria e Presidente da Assembleia Municipal de Leiria, Subdirector-Geral dos Serviços Prisionais e Provedor da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa.
Mais informação deste «Homem-Bom» de Mirandela pode ser consultada na pág. 76, do «Dicionário dos mais Ilustres Trasmontanos», de Barroso da Fonte.

Divulgar esta informação pelos conhecidos e amigos é uma forma de honrarmos a sua memória e estarmos com ele na hora do adeus. Muito obrigado!
Até sempre meu ilustre Amigo!


Escrito por Jorge Lage
Retirado de www.netbila.net
 

Omiri e fotografia no Parque do Império, em Mirandela

O espectáculo de Omiri já tem data marcada em Mirandela.Será no dia 1 de Junho, às 21h30, no Parque do Império e o espectáculo insere-se no projeto fotográfico “Entre Margens” que entre meados de maio e 16 de junho vai apresentar na cidade “Princesa do Tua” um conjuntio de exposições de 5 diferentes fotógrafos.

“Água Dura” de António Pedrosa, “Pedras” de Nelson d'Aires, “Novos Povoadores” de Attilio Fiumarella, “São Torcato” de Miguel Sobral Cardoso e “Vizinho meu, há alguém mais importante que eu?” de Hugo Moura são algumas das proposta fotográficas apresentadas no Parque do Império, na cidade de Mirandela , ao longo de aproximadamente um mês.

Paralelamente será também oferecido ao público um inovador espetáculo de música e imagem. Omiri é um dos mais originais projectos de reinvenção da música tradicional portuguesa com imagem de Tiago Pereira e música de Vasco Ribeiro Casais

Vasco Ribeiro Casais (Dazkarieh) e Tiago Pereira (vídeo-jocking), oferecem-nos em Omiri uma proposta arrojada em que o baile tem como cenário a tela de projecção onde dançam Wim Wandekeybus, William Forsythe, ou o Sr. António a bailar o Galandum.

A mistura de instrumentos estranhos e programações de Vasco Ribeiro Casais com a visão irreverente de Tiago Pereira mesclam música “trad” e vídeo em tempo real, sintetizadores e matanças do porco, chouriças e Nyckelarpas com distorção, pessoas das aldeias que dançam e cantam ladaínhas actuais porque são e sempre foram de hoje.

“Tocar, dançar e criar, é o que parece dizer este projecto, que atira convenções bafientas às urtigas”.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Jorge Nuno, escritor, apresenta em Miranda do Douro o romance “As Animadas Tertúlias de Um Homem Inquieto”

No próximo dia 30 de Maio, pelas 18h00, na Biblioteca Municipal de Miranda do Douro o escritor Jorge Nuno apresenta o seu primeiro romance “As Animadas Tertúlias de Um Homem Inquieto” com a chancela da Pastelaria Studios Editora, lançado em Almada no passado dia 4.

Entre as deambulações solitárias e a relação com a alteridade este romance leva-nos ao cerne das questões contemporâneas que inquietam um espírito vivo como o do personagem principal “Filó”.

Uma reflexão profunda entre o questionamento solitário das rotinas que temos enraizadas no espírito e a relação com a comunidade, sozinho ou acompanhado por aqueles com quem partilha a vida. A verdade desassossega, mas por vezes a sua busca pode ser ainda mais inquietante.

Em torno da mesa do café, ou na associação "Estrela Vermelha", sempre rodeado dos mais próximos, Filó procura as cogitações que podem voltar a instalar a quietude na sua alma. Da solidão máxima da introspeção do seu ego, esta é uma rica demanda que não deixará ninguém indiferente. Mas não nos apressemos a levantar o véu sobre as "inquietações" que serão objeto desta narrativa.

A apresentação estará a cargo da Dr.ª Teresa Almeida e conta com a presença do autor.

Sinopse:
"No meio disto tudo, a questão é que não só iludimos a consciências dos outros como a nossa e acabamos sempre por ser a primeira vítima. Infelizmente, na maior parte dos casos, a verdade é vergonhosa e as pessoas passam a vida inteira a esconder o que as envergonha."

Filó é o personagem central do romance "As Animadas Tertúlias de Um Homem Inquieto". É um indivíduo muito reflexivo, com muito trabalho de autoanálise, mas com forte inquietude e, algumas vezes, com alguma quebra de controlo. Vai sobrevivendo cheio de rotinas, sem dar grande importância ao que os outros pensam sobre ele e muito menos com o tratamento por aquela alcunha, porque até acha isso um elogio. É como se lhe chamassem “o homem que ama o saber”.

Trata-se de uma pessoa com várias situações de insucesso (...) mas que consegue fazer os outros sorrir, embora sem se conhecer o seu próprio sorriso. Não tendo emprego, vive num quarto alugado, de pequenos expedientes que realiza espaçadamente, de um reduzido apoio da Segurança Social e de um pequeno complemento especial de pensão anual (...) como reconhecimento da sua invalidez como ex-combatente ao serviço da Nação. Tantos anos depois ainda anda no “jogo do empurra” para obter ajuda especializada, relacionada com o necessário tratamento das perturbações que apresenta. É visto frequentemente, logo pela manhã, na esplanada da pequena Pastelaria Sonhos Doces, sempre com o habitual caderno e um livro debaixo do braço, como que a mostrar o seu lado intelectual. Sobre o romance (quatro breves opiniões):

"Faz lembrar a escrita neorrealista, mas é mais profunda (…) e abundam as reflexões de uma forma subtil e quase sem nos apercebermos. Além disso tem pitadas de humor que tornem o estilo leve e quase jornalístico. Parece-me ainda que o romance é um belo exemplo de pedagogia que envolve o leitor para pensamentos de grandes autores que são instrutivos e são um belo escape para a vida. (…) Nesta personagem [coletiva] há um lado telúrico e afetivo que, apesar de tudo, reage ao desespero dos dias e procura através da leitura, da pintura, da música e da relação interpessoal, ser solidária e acreditar no futuro. " Manuel Catarino

"(…) [Tem como] mensagem principal: energias negativas/ energias positivas/ terapias de grupo, num cenário depressivo na nossa sociedade atual, é de extrema importância no momento presente. Os conflitos de natureza psíquica, uns, social e cultural, outros, (recalcamento de medos, necessidade de reconhecimento, indispensável ao estabelecimento de equilíbrios para alcançar um estatuto, os silêncios como seu instrumento, ou a necessidade de viver em plenitude, desvalorizando problemas de saúde (energias positivas) como acontece com a Luísa, personagem bem conseguida, por ser o motor de transformação e a executora dessas terapias. Outros personagens movem-se de harmonia com o seu quadro sócio/profissional, (…) o Filó parece saber utilizar bem os ensinamentos de [Daniel] Goleman. (…) A terapia na esplanada, nos ensaios de teatro, na Associação, garante um desfecho conseguido." Manuel Leal

"Resplandece uma linguagem clara, concisa subjacente a uma densidade psicológica muito profunda... diria que é uma escrita com alma e, sobretudo, muito ligada ao nosso quotidiano (…)." Elisete Afonso

"Acabei de ler (...) e fiquei com aquela sensação de querer mais e mais. Foi uma leitura tão agradável, tão divertida, com tantas lições e ensinamentos (...). O livro manifesta o que lhe vai na alma, é um transbordar de sentimentos e emoções e como dizia James Lowell ," Os livros são abelhas que levam o pólen de uma inteligência para a outra". Elisabete Magalhães.

Nota Biográfica:
Jorge Nuno nasceu em Coimbra, em 1950, onde viria a casar em 1974 com uma brigantina. Tem dois filhos e dois netos. Como estudante-trabalhador, tirou dois cursos superiores nas áreas de Engenharia e Gestão de Informação e um mestrado em Ciências Empresariais na área de especialização em Gestão, Estratégia e Desenvolvimento Empresarial. Cedo mostrou tendência para as Letras e para as Artes, mas a sua vida profissional tomou outros rumos: música; direção de obra, como profissional de engenharia, na reparação naval e revestimentos metálicos na construção civil; gestão de sistemas de informação; coautoria de estudos de mercado; integração em múltiplas comissões e grupos de trabalho; autoria de software, de programas curriculares e de três manuais de formação [Cadernos de Formação].

 A sua paixão profissional esteve na Educação e Formação de Adultos, onde desenvolveu intensa atividade como professor multidisciplinar, com destaque para o prazer de ter sido professor voluntário de “Relações Interpessoais” na USALMA – Universidade Sénior de Almada e colaborador de diversos Centros de Formação de Associações de Escolas, como formador em vários domínios, de 1981 a 2011, ano em que se aposentou quando exercia funções docentes em Bragança. Recentemente, dedica grande parte do seu tempo à pintura e à escrita criativa. Desde outubro de 2012, participou em duas coletâneas de contos e três de poesia. Lançou recentemente o seu primeiro romance “As Animadas Tertúlias de um Homem Inquieto”, Pastelaria Studios Editora 2013.





Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Presidente da CIM Trás-os-Montes espera que comunidades intermunicipais sejam repensadas

O presidente da Comunidade Intermunicipal (CIM) de Trás-os-Montes afirmou hoje esperar que o chumbo do Tribunal Constitucional sirva para o Governo promover uma reflexão sobre estas organizações territoriais.



Beraldino Pinto é autarca de Macedo de Cavaleiros e preside à comunidade intermunicipal que junta 15 municípios da região de Trás-os-Montes, cinco dos quais avançaram com a intenção de constituir uma nova comunidade.

O autarca social-democrata espera que a declaração de inconstitucionalidade da lei sobre o estatuto das comunidades intermunicipais permita uma reflexão alargada sobre o que se pretende para estas organizações.

"Seria importante aproveitar para refletir qual será a escala mínima, o que está também associado às competências, e que escala precisam para cumprir os objetivos", defendeu.

O presidente da CIM de Trás-os-Montes entende que "não era de todo imprevista" a decisão do Tribunal Constitucional, conhecida na terça-feira, sobre a lei do antigo ministro Miguel Relvas.

"O que está em causa agora é se o Governo vai apenas tentar explorar a parte declarada inconstitucional ou se aproveita para fazer uma reflexão, introduzir ou corrigir alguns aspetos que têm menos acolhimento".

O autarca defende, a título pessoal, que as comunidades intermunicipais "necessitam de escala" e de um "ajustamento às diferentes realidades".

A CIM de Trás-os-Montes foi criada há quatro anos, constituída por 15 municípios dos distritos de Bragança e Vila Real. No final de 2012, cinco autarquias do Alto Tâmega manifestaram a intenção de se separar e criar uma nova CIM para aquela zona.

Fonte governamental informou a agência Lusa que o executivo vai trabalhar com os grupos parlamentares para ultrapassar a declaração de inconstitucionalidade de normas do estatuto das entidades intermunicipais e da transferência de competências do Estado para as autarquias.

Na proposta do Governo as Comunidades Intermunicipais (CIM) iriam ser reduzidas de 23 para 21, alterando a organização dos municípios em Trás-os-Montes e no centro do país, num novo mapa que fazia coincidir as fronteiras das CIM com as das sub-regiões NUT III.

Fonte: Agência Lusa
Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Certame de Teatro Escolar Transfronteiriço “Artistas del Duero” apura hoje os vencedores em Miranda do Douro

Hoje disputa-se a final do IV Certame de Teatro Transfronteiriço do programa educativo “Artistas del Duero”, no Auditório Municipal de Miranda do Douro.





Neste programa participaram mais de 150 crianças do território do Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial AECT Duero-Douro, pertencentes a diferentes escolas dos dois lados da Raia.

Nesta quarta feira, os grupos seleccionados nas eliminatórias de Mogadouro (Portugal) a 21 de maio, e de Villaralbo (Zamora) a 23 de maio, voltarão a representar as suas obras e o jurado vai escolher três grupos vencedores do 4º Certame.

Estarão presentes representantes da Câmara Municipal de Miranda do Douro; o Director Geral do AECT Duero-Douro, José Luis Pascual Criado e todas as crianças e professores envolvidos no programa.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Rotary Clube de Bragança faz 10 anos

O Rotary Clube de Bragança comemora no dia 31 de maio o décimo aniversário. Uma década de atividades direcionadas para o meio social local.





Fortemente implantado na cidade e região, têm sido muitas as atividades que o Rotary Clube de Bragança tem promovido, sempre em estreita colaboração com a sociedade em que se insere, cumprindo o lema rotário “dar de si antes de pensar em si”.

Desta sua intervenção social são exemplo as bolsas de estudo que tem atribuído a alunos de diferentes níveis de ensino, apoios a instituições de solidariedade social, a dinamização de atividades artísticas e desportivas, a criação da Universidade Sénior, ou a promoção de um programa de saúde cardíaca.

A comemoração do décimo aniversário ficará marcada pela assinatura de protocolos de saúde cardíaca, por uma palestra do professor Doutor Lopes Gomes, intitulada “Prevenção cardiovascular e morte súbita”, E por uma outra palestra da Professora Doutora Fátima Pimaparel intitulada “Paz através do servir”.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

terça-feira, 28 de maio de 2013

Governo lança concurso para alargar rede de gás natural a mais 27 concelhos do norte

O gás natural vai chegar a mais 27 concelhos do Interior, no norte de Portugal, com um investimento estimado de 85 milhões de euros no alargamento da rede, divulgou hoje o Governo.




A abertura dos concursos para a atribuição de 26 licenças de distribuição local de gás natural foi hoje publicada em Diário da República e deverá permitir que dentro de "dois anos, no máximo", mais de 276 mil consumidores possam ter acesso a esta energia, segundo a estimativa do secretário de Estado da Energia.

Artur Trindade indicou, em entrevista à agência Lusa, que o alargamento da rede a este conjunto de concelhos, sobretudo dos distritos de Bragança e Vila Real e também alguns dos interior de Braga e Viana do Castelo, garantirá uma cobertura de gás natural a "70 a 80% dos municípios da região norte" do país.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

No Azibo há 43 espécies de borboletas em apenas 2,6 km

A Estação de Biodiversidade de Santa Combinha acompanha em 2,6 km o Trilho Ricardo Magalhães na Paisagem Protegida da Albufeira do Azibo. É um percurso pedestre circular de grau de dificuldade “fácil”, com início e término no Miradouro localizado nas proximidades da aldeia que lhe dá nome.

Ao longo de 2,6 km, este percurso está marcado com placas de orientação painéis interpretativos dos valores naturais desta área do Azibo. Com uma paisagem fantástica em que sobressaem a Serra de Bornes e a Serra do Cubo e as abundantes manchas de carvalhos e sobreiros mercê da ação do homem, esta é uma área de elevada riqueza biológica.

Aqui, além da oportunidade de observar os patos e mergulhões, as aves de rapina ou outros animais que têm na Albufeira do Azibo a sua morada, os visitantes podem conhecer outras espécies como os insetos, nomeadamente as libelinhas, as libélulas e as borboletas diurnas.

 No caso destas últimas, é possível ver 43 espécies das 135 que se conhecem em Portugal continental, número resultante de um trabalho de inventariação e monitorização desenvolvido nos anos de 2011 e 2012 pela equipa do TAGIS, Museu Nacional de História Natural e da Ciência e Centro de Biologia Ambiental da Universidade de Lisboa, no âmbito do programa Macedo Natura, financiado ao abrigo do ON2 - O Novo Norte.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Douro Superior: Região quer tornar-se referência na promoção vinícola do país

A cidade de Vila Nova de Foz Côa pretende afirmar-se a cada ano como a "Capital do Vinho" na região do Douro Superior, apostando para o efeito em certames temáticos dedicados a este segmento de marcado.   
A pretensão foi justificada pela organização do Festival do Vinho do Douro Superior, que viu este ano o número de expositores aumentar em mais de 25 % face à edição de 2012, para um total de mais de 70 produtores oriundos de sete concelhos daquela sub-região vinícola integrada da Região Demarcada do Douro.
"Esta é uma aposta ganha, já que os números do primeiro festival foram plenamente ultrapassados, o que nos deixa vontade de continuar", frisou o presidente da Câmara de Foz Côa, Gustavo Duarte.
Segundo o autarca, a crise faz-se sentir na região do Douro Superior, mas é atenuada com a qualidade dos vinhos ali produzidos, já que há quintas e marcas emblemáticas no panorama nacional e mesmo mundial do setor.
Os concelhos presentes nesta edição têm características vinícolas distintas, como o de Carrazeda de Ansiães, Figueira de Castelo Rodrigo, Freixo de Espada à Cinta, Meda, São João da Pesqueira e Torre de Moncorvo.
A festa do vinho reuniu num concurso 158 vinhos e mais de 220 marcas, o que representa um aumento de 50% em relação ao ano passado, que foram postos à prova dos visitantes que apareceram um pouco de todo o país e do estrangeiro e onde foram servidas mais de três mil garrafas de vinhos de diversos tipos.

Retirado de www.rba.pt

Vimioso: Complexo termal da Terronha abre no mês de junho para testes

O presidente da Câmara de Vimioso avançou que o complexo termal da Terronha está concluído e poderá abrir em fase experimental já no decurso próximo mês de junho.   
"As termas vão abrir para testes médicos por um período de cerca de dois anos, para assim se poder obter o alvará final", disse José Rodrigues.
No período de verão, os apreciadores das qualidades terapêuticas das águas sulfurosas da Terronha poderão vir a usufruir do balneário do complexo termal.
O balneário principal do complexo termal vai ficar dotado de uma série de equipamentos em se destacam uma piscina, aparelhos para melhorar a função respiratória dos utentes e duches a jato entre outros.
De futuro, a autarquia não coloca de lado a ideia de que o equipamento termal venha a ser explorado pela iniciativa privada.
"A unidade é uma aposta para ajudar a impulsionar o desenvolvimento turístico no concelho de Vimioso, uma aposta que tem de ser ganha, já que se trata de uma indústria que poderá trazer mais-valias ao concelho ", acrescentou o autarca.
A unidade termal começou a ganhar forma há cerca de três anos com a construção de uma central de bombagem e respetiva conduta em aço inoxidável, com cerca de 1500 metros de extensão, que serve para transportar a água sulfurosa para o complexo de balneários, onde depois será utilizada na ajuda ao tratamento de diversas patologias.
A água sulfurosa que brota da nascente da Terronha tem "capacidades curativas" em doenças da pele e do aparelho respiratório.
"Estas propriedades já foram confirmadas através de testes efetuados em laboratórios especializados", frisou José Rodrigues.
A sabedoria popular garante que já se fala nos poderes "curativos" das águas da Terronha "há muitas décadas" e que era comum algumas pessoas deslocarem-se à nascente "para nela de banharem", apesar de distar alguns quilómetros da vila.
Estas águas sulfurosas da Terronha estão identificadas desde 1726.
O complexo termal da Terronha custou cerca de três milhões de euros, sendo financiado por fundos de Programa Operacional do Norte em cerca de 1,2 milhões.

Retirado de www.rba.pt

Formação em suporte básico de vida gratuita

reanimacao.jpg
A Unidade Local de Saúde do Nordeste está a promover uma formação em suporte básico de vida para a comunidade, que vai decorrer esta quinta-feira.
As inscrições para este curso, que é gratuito, estão abertas em Bragança e em Mirandela. Esta é uma oportunidade para as pessoas apreenderem os procedimentos correctos, para socorrerem vítimas antes da chegada dos meios de emergência.O director clínico da ULS do Nordeste, Domingos Fernandes, sublinha que esta é uma formação inédita no País e lembra que toda a gente pode participar.“Vamos fazer algo inédito no País. Neste momento vamos formar em toda a área de influência da ULS do Nordeste cerca de 1250 pessoas. Isto enquadra-se na responsabilidade individual de cada um, saber como agir antes de chegar os meios de socorro, quando encontrámos alguém sem respirar ou inconsciente, antes de chegar uma VMER, uma SIV temos que saber agir. É essa formação que vamos dar neste master training”, esclarece Domingos Fernandes.O director clínico apela à população para aderir à formação e lembra que saber agir numa situação de emergência pode ajudar a salvar vidas.“Acontecem duas coisas numa situação de emergência: estamos perante pessoas que nos são próximas e estamos perante uma situação de stress. Para podermos fazer tudo bem temos que saber fazê-lo de acordo com estes padrões”, sublinha o responsável clínico.  Em Mirandela a formação decorre durante a manhã e à tarde realiza-se em Bragança.
As inscrições estão abertas e podem ser feitas através do número 93 87 89 046 ou através dos serviços da ULS do Nordeste.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

Pavilhão do NERBA vai ser requalificado

nerba_pavilhao.jpg O pavilhão do NERBA, em Bragança, vai ser requalificado. O protocolo entre a Câmara Municipal e a Associação Empresarial já foi assinado. O presidente do NERBA, Eduardo Malhão, mostra-se satisfeito e aliviado com o início das obras.Para o Presidente da Câmara, Jorge Nunes, a cidade merece um pavilhão de exposições com melhores condições.As obras contemplam o painel de cobertura do pavilhão, com a instalação de painéis fotovoltaicos. O investimento é de 200 mil euros, comparticipados em 80 por cento pela Câmara Municipal.
O objectivo do NERBA é que as obras estejam concluídas antes de Outubro, para acolher a Norcaça, Norpesca e Norcastanha numa casa renovada.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

segunda-feira, 27 de maio de 2013

Aeroportos de Vila Real e Bragança continuam sem aviões mas com despesa corrente

O Governo de Portugal suspendeu há seis meses as ligações aéreas Bragança-Lisboa e apesar de ter prometido retomá-las em março, dois meses depois deste prazo ainda nada aconteceu e os autarcas de Bragança e Vila Real nada sabem sobre o ponto em que está o processo.


A rádio TSF, noticia hoje que os autarcas de Vila Real de Bragança se estão a queixar por estarem a agastar dinheiros em despesas correntes para manutenção dos aeroportos das cidades transmontanas, sem que esse dinheiro sirva para alguma coisa.

O Governo prometeu resolver o assunto até março mas, findo o prazo, o social democrata Jorge Nunes, presidente da câmara de Bragança disse na TSF que “o secretário de Estado [dos Transportes] tem dado alguma informação, muito sumária a dizer que continuam a aguardar a aprovação do modelo de financiamento”.

“Da nossa parte desconhecemos completamente qual o modelo de financiamento e operação que está desenhado, quais são as condições financeiras”, disse o autarca à TSF.

O autarca também desconhece se o que está em estudo «representa sustentabilidade e atratividade, quer do ponto de vista dos potenciais operadores, quer do ponto de vista dos passageiros”, diz.

O redesenho de um modelo sustentável das ligações aéreas entre Bragança e Lisboa está a ser feito sem a participação dos políticos locais que melhor conhecem as realidades e que até possuem ideias e soluções para o imbróglio que surgiu há cerca de seis meses.

Quando o serviço foi suspenso, há meio ano, o Governo alegou que a União Europeia (UE) não autorizava o modelo de financiamento estatal. Esse representava 2,5 milhões de euros. A solução alternativa passaria por substituir o subsídio dado à empresa que assegurava as ligações por um modelo de subvenção dos utentes do serviço, refere a TSF.

Enquanto o caso não se resolve, Jorge Nunes sublinha que há despesas que continuam a pesar nos orçamentos das duas autarquias já que “tanto Bragança como Vila Real dispõem de infraestruturas aeroportuárias bastante desenvolvidas, certificadas, que custam imenso dinheiro em manutenção de pessoal, das proprias infraestruras, de seguros e de responsabilidades diversas”.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Empreitada de construção da reserva de água de Montesinho e circuito de ligação já foi adjudicada

A câmara de Bragança já obteve o licenciamento e as autorizações necessárias, depois de cumpridas as exigências ambientais, para o início das obras da barragem de Veiguinhas.




Depois de um longo processo de 16 anos que esbarrou na polémica da sua localização, em plena área protegida do Parque Natural de Montesinho, o projeto vai definitivamente arrancar, apesar de nos tribunais ainda estar a decorrer a análise uma nova providência cautelar apresentada pela associação ambientalista Quercus e relacionada com a Declaração de Interesse Público.

O Notícias do Nordeste sabe que as Águas de Trás-os-Montes e Alto Douro já adjudicou à Amândio Carvalho a empreitada da reserva de água de Montesinho e circuito de ligação ao sistema existente por 5.300.000,00 euros, devendo as obras iniciarem-se detro de muito pouco tempo.

Jorge Nunes, presidente da Câmara Municipal de Bragança, considerou desde sempre que esta é a solução mais viável para resolver os problemas de abastecimento de água à cidade de Bragança, que em anos de seca têm obrigado o município a recorrer ao transporte de água em camiões cisterna dos bombeiros.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Já foi apresentada a edição 2013 da Festa da Cereja de Alfândega da Fé

Com mais de 30 anos de história a Festa da Cereja é um dos principais eventos do Nordeste Transmontano, destacando-se como espaço de mostra e divulgação dos produtos locais e da cultura concelhia. Este ano não vai ser exceção, Alfândega da Fé engalana-se para receber a XXXI edição deste evento.

Com organização da Câmara Municipal, a Festa concentra a grande maioria das iniciativas no Parque Municipal de Exposições. Este é o local onde podem ser encontrados o artesanato, os produtos locais, com especial destaque para a Cereja, e que vai ser palco de iniciativas e espetáculos que continuam a valorizar a produção artística local, fazendo dos grupos culturais concelhios um dos principais dinamizadores do certame.

A Banda Municipal, os Grupos de Cantares de Sambade, Alfândega da Fé, Gebelim e Parada, o grupo Transfive e a Orquestra Juvenil abrilhantam o programa, corporizando a ideia de que a Festa da Cereja de Alfândega da Fé é uma das principais montras do que melhor se faz neste concelho transmontano, tanto no campo económico como turístico e cultural.

Daí que esta edição conte também com o contributo do Grupo de Teatro de Alfândega da Fé (TAFÉ). Uma formação constituída há cerca de dois anos e que tem vindo a ganhar o seu espaço na agenda cultural alfandeguense. Em colaboração com a Filandorra Teatro do Nordeste o grupo ultima a recriação da Lenda de Alfândega da Fé, que vai invadir o recinto a 9 de junho.

Trata-se da Lenda dos Cavaleiros das Esporas Douradas, que explica a fundação e atual designação da localidade, relacionando-a com factos resultantes da reconquista Cristã da Península Ibérica.

Uma experiência de teatro na comunidade que pretende envolver a população e visitantes e que se pretende afirmar como mais um motivo de atratividade do cartaz deste ano. Isso mesmo foi referido durante a apresentação da Festa, no dia 22 de maio, que contou com um pequeno apresentação do espetáculo que vai ter lugar no Recinto Municipal de Exposições.

Os Flor de Lis e o Cantor Emanuel são outros dos destaques da programação deste ano.

Mas a animação é apenas uma das componentes de uma Festa que faz da Cereja a cabeça de cartaz, aproveitando a atratividade deste fruto para dar visibilidade a outros produtos e produtores locais. Daí que esta XXXI edição queira fazer o elogio à capacidade empreendedora das gentes de Alfândega, que com o apoio da autarquia têm vindo a criar pequenos negócios ou a licenciar atividades relacionadas com setores como o turismo e o agroalimentar. A filosofia é simples criar os mecanismos para que os munícipes encontrem na Câmara o apoio e informações necessárias para concretizarem a sua ideia de negócio ou legalizarem pequenos negócios familiares.

No seguimento da criação do Gabinete de Empreendedorismo surge,agora, esta equipa para apoiar o processo de licenciamento de unidades agroindustriais.

Não vai ser difícil encontrar na Festa da Cereja produtos provenientes deste pequenos negócios. Queijos, enchidos, compotas e licores são os principais produtos produzidos nestas unidades. Alguns fazem da Cereja o principal elemento. São doces, compotas e licores, mas também uma Cerveja que nasce da criatividade e espírito empreendedor de jovens alfandeguenses, que vão aproveitar o certame para lançar a Primeira Cerveja Artesanal de Alfândega da Fé, que como não podia deixar de ser é uma Cerveja de Cereja.

Este foi dos últimos projetos a requerer o apoio da equipa constituída por técnicos da Empresa Municipal – EDEAF – e dos serviços de urbanismo para licenciar a atividade.

Nestes quatro dias de Festa a Cereja também não vai faltar, apesar das quebras esperadas na produção, resultado das condições climatéricas adversas, o principal produtor local – Cooperativa Agrícola de Alfândega da Fé - garante a quantidade e qualidade do fruto, atrevendo-se a dizer que as primeiras Cerejas da época vão ser colhidas e degustadas na Festa da Cereja de Alfândega da Fé.


«Nordestin» quer ser o novo destino turístico de Portugal

O Nordeste Transmontano pretende transformar num novo destino turístico e por isso criou uma nova imagem para promoção externa que reúne vários agentes e ofertas turísticas na marca «Nordestin», noticiou a agência Lusa


A Natureza, o património cultural e religioso, a gastronomia, operadores turísticos, hotéis, animação ou pontos de venda de produtos passam a ser «vendidos» em conjunto debaixo de uma marca comum que foi lançada na sexta-feira, em Bragança.

O conceito foi impulsionado pela Corane, a Associação de Desenvolvimento dos Concelhos da Raia Nordestina, que integra os municípios de Bragança, Vinhais, Miranda do Douro e Vimioso, e está aberto a novas adesões num território que pretende abranger todo o Nordeste de Portugal.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Torre de Moncorvo: MTI anuncia resultados "promissores" na prospeção mineira no Carvalhal

A empresa MTI - Ferro de Moncorvo, SA, avançou que os trabalhos de prospeção em curso na serra do Reboredo, em Torre de Moncorvo, têm mostrado "resultados promissores" pela qualidade das amostras de minério de ferro já recolhidas.   

Naquela área mineira, situada na região transmontana, encontram-se de momento duas máquinas de prospeção de minério de ferro em atividade continua e os investidores dizem acreditar no "potencial do projeto".
"A prospeção na serra do Reboredo evolui muito nos últimos tempos, já que tentámos colmatar uma lacuna existente em termos históricos naquela área mineira relativa à qualidade do minério", disse o presidente da MTI, Vítor Correia.
O responsável referiu que é agora é preciso definir de forma mais "criteriosa" as reservas existentes naquela zona de prospeção.
Outros dos aspetos a destacar nos trabalhos em curso é que se começa a fazer uma análise metalúrgica à qualidade do produto que está a ser retirado do subsolo, através do método de prospeção.
"Através de acordo de colaboração, estamos a fazer ensaios em siderurgias da Europa, onde estamos a tentar perceber se este minério de ferro tem as características adequadas para ser utilizadas nessas unidades transformadoras", acrescentou Vítor Correia.
A MTI, empresa que poderá explorar os depósitos de ferro em Torre de Moncorvo, já disse que irá investir cerca de 600 milhões de euros “logo que haja um decisão favorável sobre o Estudo de Impacto Ambiental (EIA)".
Os responsáveis pela empresa acreditam na conclusão do EIA ainda durante o período de verão ou, no limite, até ao final do corrente ano.

Retirado de www.rba.pt

Torre de Moncorvo: Rio Douro é a primeira opção para o transporte do minério de ferro do Carvalhal

Responsáveis pela MTI - Ferro de Moncorvo, SA, anunciaram que o transporte por via fluvial, no Douro, do minério de ferro que sair da serra do Reboredo é uma opção viável, que está ser "seriamente equacionada".   

"Temos já em fase de anteprojeto a construção de navios de transporte de minério de ferro adequados a navegar no rio Douro, já que no mercado não foi possível encontrar embarcações com características de calado adaptadas ao curso de água", acrescentou o presidente da MTI, Vítor Correia.
Os estudos para o desenvolvimento dos navios já foram efetuados e as embarcações poderão mesmo ser construídas em estaleiros nacionais.
"Se tudo correr como desejarmos, fará todo o sentido que as embarcações sejam constituídas em estaleiros portugueses, para que os impactos económicos não sejam repercutidos só nesta região, mas também ao nível nacional", afiançou Vítor Correia.
A MTI está considerar duas opções em simultâneo e que passam pelo transporte fluvial e também pela construção de um mineroduto.
"A opção do transporte fluvial terá de ser seriamente ponderada já que aquela que mais rápido de poderá colocar a trabalhar. O mineroduto é sempre uma opção mais demorada", frisou o responsável da MTI.
No entanto, ficou a garantia de que o projeto se vai prolongar por várias dezenas de anos, pelo que não faria sentido iniciar no imediato a construção do mineroduto.

Retirado de www.rba.pt

MTI quer começar a explorar ferro em Torre de Moncorvo ainda este ano

ferro.jpg
A MTI, empresa que vai explorar as minas de ferro em Torre de Moncorvo, quer concluir o estudo de impacto ambiental ainda este ano. Dando assim início ao projecto de exploração.
Em declarações durante o Dia Aberto MTI, que decorreu na passada sexta-feira, em Torre de Moncorvo, o presidente da empresa, Vítor Correia, diz está a ser feito um esforço muito grande, por parte da MTI, para que os trabalhos de avaliação e prospecção estejam concluídos o mais depressa possível. “Nós estamos a fazer um esforço grande para que todos estes trabalhos que estão em curso sejam desenvolvidos com a  maior rapidez possível, porque temos como objectivo interno, e eu digo interno
porque não estamos do ponto de vista contratual a fazê-lo já, mas nós gostaríamos de conseguir entregar o estudo de impacto ambiental durante o presente ano. Isso significa que estamos muito empenhados em arrancar com o projecto, assim que possível”, explica o responsável.
Vítor Correia  avança, também, que nos trabalhos de prospecção em curso na Serra do Reboredo, naquele concelho transmontano, a “qualidade das amostras de minério de ferro são muito superiores às espectativas”.
A empresa juntamente com o Município assinalou o Dia Europeu dos Minerais com diversas actividades como exposições e sessões de esclarecimento à população. “Demonstrando precisamente a importância que o ferro tem no dia-a-dia de todos nós, os tachos que utilizamos, os garfos com que comemos, aos carros onde andamos, etc. Os aços estão presentes na nossa vida, o ferro é um componente fundamental para produzir aço, e era importante sensibilizar a população para isso”, conclui Vítor Correia.
MTI a dar conta do desenvolvimento dos trabalhos em Torre de Moncorvo.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt  

Quartel da GNR de Torre D. Chama vai entrar em obras

miguel_macedo.jpg
O Ministro da Administração Interna, Miguel Macedo, espera que as obras do Posto da GNR em Torre Dona Chama, no concelho de Mirandela, comecem brevemente.
Esta foi uma das mensagens proferidas durante o seu discurso no dia do Município e na comemoração dos 130 anos da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários e Cruz Amarela de Mirandela, que aconteceu no passado sábado.
“O posto de Torre de D. Chama, como sabem, está em curso o concurso público e espero que dentro em pouco comecem efectivamente as obras no posto da Guarda Nacional Republicana de Torre de D. Chama”, avança o governante.
Quanto à possibilidade da Esquadra da PSP daquela cidade passar a Esquadra Complexa, Miguel Macedo não deixa garantias que a mudança seja já para este ano.
O presidente do Município de Mirandela, António Branco diz que não é uma questão de teimosia mas sim de necessidade e garante que não vai desistir de lutar pela promoção da esquadra a Divisão. “Eu vou continuar como disse quando esteve cá o secretário de estado e sempre que houver algum responsável político que nos visite, que tenha algumas responsabilidades na área da administração interna, irei continua a manifestar esta intenção. Há condições no distrito para fazer este reconhecimento, mas o facto de ter uma esquadra complexa que, por exemplo, permite ter um segundo oficial como já acontece hoje no comando territorial da GNR, o que significa libertar o próprio comando para outras actividades. Julgo que é importante reflectir sobre o que isso significa. Temos boas instalações e é por isso que pedimos a esquadra complexa”, acrescenta o autarca local.
A promoção da Esquadra da PSP de Mirandela volta a ser tema de debate no dia do Município.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

EDP vai investir na requalificação dos monumentos do Vale do Tua

vale_do_tua.jpg
Vários monumentos dos cinco concelhos abrangidos pela construção da barragem de Foz-Tua vão ser requalificados e valorizados até 2015.
Trata-se de um investimento de um milhão e seiscentos mil euros da EDP, no âmbito das contrapartidas da Eléctrica Nacional à Região do Vale do Tua. O protocolo entre as diversas entidades envolvidas foi assinado, na passada sexta-feira, em Mirandela, com a presença do secretário de Estado da Cultura.O protocolo rege a intervenção que envolve a EDP, a Direcção Regional da Cultura do Norte e a Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua. Trata-se de uma das contrapartidas da construção da barragem de Foz-Tua e da consequente submersão de 16 quilómetros da centenária linha ferroviária. A EDP compromete-se a financiar em um milhão e seiscentos mil euros, a requalificação e valorização de vários monumentos sinalizados pela Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua. Sérgio Figueiredo, da EDP, sublinha a importância deste projectoO Secretário de Estado da Cultura entende que este projecto é uma mais valia para o desenvolvimento harmonioso do território e Jorge Barreto Xavier faz questão de elogiar a capacidade de consenso dos cinco autarcas da região neste processoPara o presidente do conselho de administração da Agência de Envolvimento Regional do Vale do Tua, José Luís Correia, este investimento, apesar de ser uma gota no oceano na globalidade dos projectos que ainda vão avançar na região, é muito importante, porque sem esta verba seria impossível pensar em valorizar estes monumentos
Refira-se que, no âmbito da contrapartida pela construção da barragem está prevista a criação do parque natural do Vale do Tua e um plano de mobilidade como alternativa à submersão de 16 quilómetros da Linha do Tua. No protocolo está prevista a requalificação do Santuário do Senhor de Perafita, a ponte e via medieval de São Mamede de Ribatua, ambos localizados em Alijó, a Capela da Misericórdia de Murça, o Cabeço da Mina no concelho de Vila Flor, o Castelo de Ansiães e a Igreja da Lavandeira, no concelho de Carrazeda de Ansiães e a requalificação das igrejas de Abambres, Guide e Avantos no município de Mirandela.
Escrito por Terra Quente (CIR)
Retirado de www.brigantia.pt

Crise estragou negócios na Expo Trás-os-Montes

expo_tm.jpg “Pouca gente a visitar” e “crise” foram as palavras mais ouvidas pelos expositores que marcaram presença na 2ª edição da Expo Trás-os-Montes, que terminou ontem, no Parque de Exposições do Núcleo Empresarial de Bragança. “É o primeiro ano que cá estou, estava com boas expectativas mas saíram um bocado furadas, não correu nada bem”, diz um produtor e engarrafador de vinho de Trás-os-Montes, José Preto.  No sector da restauração, o negócio também não correspondeu às expectativas dos representantes do Porco Bísaro e da Carne Mirandesa presentes na feira. “ Decorreu dentro da normalidade dentro da crise que existe e a feira acompanhou essa crise, o que é mau”, explica o representante da carne mirandesa e Restaurante Académico de Bragança, Nuno Machado.Para o presidente do NERBA, Eduardo Malhão, o mais importante é lançar sementes para o futuro e garante que esse objectivo foi cumprido. “ Gostaria de registar que o mais importante é de facto lançar sementes para o futuro e nesta 2º edição ficam novas ideias, fica também a certeza que é preciso mudar algumas coisas e no futuro iremos obviamente engrandecer ainda mais esta montra”, explica.No entanto, Eduardo Malhão admite que a crise esteve presente nos duatro dias de certame.
Produtos de excelência da região mas com poucos compradores na montra da 2ª edição da Expo Trás-os-Montes.
Escrito por Brigantia
Retirado de www.brigantia.pt

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Vacina da meningite oferecida pela autarquia às crianças de Vinhais

A Câmara de Vinhais, no distrito de Bragança, anunciou hoje que vai pagar a vacina da meningite a todas as crianças do concelho depois de constatar uma “redução” na imunização contra a doença devido à crise.



A vacina não é comparticipada pelo Serviço Nacional de Saúde e a imunização implica a administração de quatro doses, que implicam um encargo financeiro de 300 euros, “cada vez mais incomportável por cada vez mais famílias”, segundo a autarquia liderada pelo socialista Américo Pereira.


A Câmara de Vinhais aprovou “uma verba de 10 mil euros para financiar a administração das doses gratuitas da vacina contra a meningite a todas as crianças do concelho”.

A verba estipulada teve em conta, segundo o autarca, o custo da vacina e o número médio de nascimentos por ano no concelho de Vinhais.

O município constatou que “a crise económica e social instalada em Portugal tem levado a um profundo agravamento das condições económicas das famílias, que se reflete na redução da percentagem de crianças imunizadas contra a meningite”.

Como a doença, que “progride rapidamente e é de alta perigosidade, não faz parte do Plano Nacional de Vacinação nem é comparticipada pelo Estado”, a Câmara de Vinhais decidiu avançar com esta medida, “considerando de grande importância a melhoria da saúde infantil do concelho”.

“Esta medida representa uma melhoria dos cuidados de saúde para as crianças do concelho, sendo, simultaneamente, um importante contributo para as bolsas das famílias vinhaenses”, indicou.

Agência Lusa
Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Roubo de tampas e grelhas de saneamento em Mirandela leva município a apelar à vigilância da população

O roubo de materiais de equipamentos públicos está a chegar ao mobiliário urbano da cidade de Mirandela, tendo-se verificado, nos últimos tempos, a falta de tampas de saneamento , grelhas, sumidouros e outros elementos que compõem a infraestruturação urbana.


“Desde há algum tempo que a Câmara Municipal de Mirandela tem vindo a verificar numerosas faltas de tampas de saneamento, grelhas de sumidouros e outros elementos de espaços públicos exteriores, compostos por metais não preciosos como o ferro”, l ê-se no site da instituição.

A situação tem-se vindo a agravar, tendo na última semana desaparecido todas as grelhas de sumidouros da Alameda do Rio Tua, junto ao Santuário N.ª Sr.ª do Amparo.

“É convicção da autarquia que o desaparecimento destes elementos é praticado por pessoas mal intencionadas que pretendem obter lucro ilícito com a venda do material furtado resultando, no entanto, em grave prejuízo para todos uma vez que se tratam de bens públicos de utilização comum”.

Devido a esta nova realidade, e devido também à dificuldade de controlar toda uma vasta área urbana que compõe a cidade, a autarquia apela à ajuda da população, nomeadamente ao contributo da sua vigilência ativa e consequente denúncia às autoridades policiais caso sejam observado atos desta natureza praticados por pessoas suspeitas.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Protocolo para valorizar património da região vai ser assinado hoje em Mirandela

O Secretário de Estado da Cultura vai estar hoje em Mirandela para assistir à assinatura de um protocolo entre a Direção Regional de Cultura do Norte (DRCN) a EDP - Gestão de Produção de Energia e a Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua.


Segundo se escreve no site DRCN “este protocolo visa dar cumprimento a uma das medidas de compensação preconizadas pela Declaração de Impacte Ambiental do Aproveitamento Hidroelétrico de Foz Tua (AHFT), que tem por objetivo compensar parcialmente os impactes negativos causados pela futura Barragem de Foz Tua no património cultural da região, através de um projeto de valorização de património”.

O projeto terá uma comparticipação efetiva da EDP, que deverá disponibilizar “um milhão quinhentos e oitenta mil euros e a DRCN assume a realização de todas as atividades necessárias à concretização dos trabalhos, em estreita colaboração com a Agência de Desenvolvimento Regional do Vale do Tua”.

O projeto, com conclusão prevista para 2015, incidirá sobre um conjunto de monumentos de elevado valor patrimonial situados nos 5 municípios abrangidos pelo AHFT, através da realização de estudos históricos, obras de reabilitação e restauro e ações de divulgação.

O objetivo é “criar condições para o usufruto público dos monumentos, nomeadamente visitas, sempre de acordo com as especificidades de cada um”.

Retirado de www.noticiasdonordeste.com

Miranda do Douro: Associação mirandesa promove cultura nordestina em Lisboa

A Associação para o Estudo e Proteção do Gado Asinino (AEPGA), com sede em Atenor, concelho de Miranda do Douro, vai promover "um pouco das atividades rurais nordestinas" que prometem ajudar "a repensar" as transformações no mundo rural.
A ação, denominada por "burricidades", integra um vasto leque de atividades às quais se juntam nomes da cultura nordestina.
"A ideia passa por reunir um conjunto de especialistas de diversas áreas do saber, numa série de iniciativas de índole rural, que representem a cultura nordestina, como forma de descentralizar diversas atividades que são apreciadas por quem visita a região", avançou Miguel Nóvoa, da AEPGA.
A reflexão sobre mundo rural em "transformação" é um dos objetivos do evento cultural que promete muita música e debate em torno das questões ligadas à ruralidade da região.
As atividades estão programadas para sábado e domingo e vão decorrer em dois espaços culturais de Lisboa: a Galeria da Livraria "Ler Devagar" e Fábrica XL - Lx Factory.
"Com as gaitas de fole afinadas, e os burros preparados para andar o caminho, a cultura nordestina quer se dar a conhecer nos grandes espaços urbanos", frisou.
A música, danças tradicionais, cinema, documentários, fotografia e palestras temáticas, serão os " pratos fortes" de um encontro que vai juntar músicos tradicionais, associações culturais e burros em dois espaços da capital.

Retirado de www.rba.pt